Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Mauritânia: reeleição do presidente Abdel Aziz não convence oposição

Mauritânia: reeleição do presidente Abdel Aziz não convence oposição
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Apoiado pelo ocidente mas boicotado pela oposição, o presidente da Mauritânia, Abdel Aziz, foi reeleito este domingo para um novo mandato com 82% dos votos.

Um escrutínio que volta a revelar as divisões entre um chefe de estado que fez da luta contra os grupos extremistas um dos seus principais cavalos de batalha e uma oposição nacional que acusa o antigo golpista de encabeçar um regime ditatorial.

A participação no segundo sufrágio democrático no país, depois do golpe militar de 2008, rondou os 56%.

O enviado especial da euronews recorda que o discurso de Abdel Aziz, “conseguiu seduzir parte da população dos bairros mais pobres da capital, um fenómeno novo no país, tendo recolhido cerca de 10% dos votos da população mais pobre”.

Depois do fracasso, em Abril, das negociações entre o chefe de estado e a oposição que nunca reconheceu a primeira vitória do presidente, a maioria dos rivais voltou a boicotar o sufrágio.

O único opositor no escrutínio, o ativista anti-escravatura Biram Al Obeid obteve apenas 8% dos votos. O candidato denuncia, “um confronto entre os grandes grupos, ligados ao poder, que dominam o país e uma grande parte da população esmagada pela escravatura”.

A reeleição do presidente está no entanto longe de reconciliar o poder com os seus rivais, como sublinha o líder da oposição mauritana:

“Estes resultados não conferem nenhuma credibilidade ao regime”, afirma Mohamad Mahmoud Lamat.

Aziz terá agora que voltar a ensaiar a reconciliação nacional quando se tornou num dos principais aliados do ocidente na luta contra os grupos islamitas na região e num mediador incontornável em vários conflitos africanos, do Mali à Costa do Marfim, da Nigéria à República Centro-Africana.