Última hora
This content is not available in your region

Ucrânia vai assinar acordo de associação com UE que irrita Rússia

Ucrânia vai assinar acordo de associação com UE que irrita Rússia
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente ucraniano assina esta sexta-feira um importante acordo comercial com a União Europeia, fonte de novas tensões com Moscovo.

A assinatura estava inicialmente prevista para novembro, com o predecessor de Petro Porochenko, Viktor Ianukovitch que, ao preferir virar-se para a Rússia, provocou o movimento de contestação que acabaria por traduzir-se na sua queda.

Em Estrasburgo, Porochenko disse que com esta “visita à assembleia parlamentar do Conselho da Europa e depois a Bruxelas, onde será finalmente assinado o acordo de associação, haverá um novo impulso de reformas e uma aproximação da Ucrânia à Europa. Será um dia histórico, tanto para os ucranianos, como para o resto do mundo”.

O Kremlin vê com maus olhos o acordo, que visa suprimir a maior parte das barreiras comerciais entre a Ucrânia e a União Europeia. A Rússia avisou que serão tomadas “medidas de proteção” se o pacto tiver efeitos nefastos para a sua economia.

O embaixador russo para a União Europeia, Vladimir Chizhov, disse ao microfone da euronews que, se houver este acordo de associação entre Kiev e os Vinte e Oito, a Rússia será “obrigada a passar para um regime não preferencial, que é o normal para a maior parte dos países do mundo”, o que significará que “a Ucrânia deixará de poder contar com um tratamento preferencial”.

A chanceler Angela Merkel afirmou, por seu lado, que uma decisão sobre uma eventual “luz verde” a novas sanções a Moscovo vai depender do relatório feito por Porochenko aos líderes europeus a respeito dos progressos no Leste da Ucrânia.