Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O futuro turbulento da companhia Malaysia Airlines

O futuro turbulento da companhia Malaysia Airlines
Tamanho do texto Aa Aa

Com dois incidentes graves no espaço de alguns meses, a companhia aérea Malaysia Airlines parece não conseguir sair da zona de turbulência.

O valor das ações da empresa encontra-se em queda livre desde o desaparecimento do voo MH370 em Março, sobre o oceano Índico. Uma situação agravada pelo novo incidente na Ucrânia.

O responsável do sindicato aéreo malaio sublinha o sentimento de desmoralização entre o pessoal da empresa, “como sabem perdemos 21 funcionários num curto período de tempo, não é algo positivo. Muitos trabalhadores são vistos a chorar no trabalho, é uma situação muito difícil e tudo depende de como cada um consegue lidar com a situação”.

O valor da empresa pública registou uma quebra de 90% nos últimos meses, devendo obrigar o estado malaio a optar por uma possível privatização, depois de investir mais de um milhão de dólares recentemente.

No aeroporto de Kuala Lumpur, os passageiros consideram que é importante não estigmatizar a companhia.

“Penso que o governo malaio tem de fazer mais pressão, não só para concluir a investigação ao incidente, mas também para mostrar que o que ocorreu com o avião da Malaysia Airlines poderia ter ocorrido com qualquer outro aparelho de outra companhia”, afirma um passageiro.

A empresa ofereceu, nos últimos dias, a possibilidade a todos os passageiros de pedirem o reembolso dos bilhetes já adquiridos, quando se encontra à beira da bancarrota e num momento em que poderia ter de pagar centenas de milhares de euros em indemnizações, independentemente da sua responsabilidade nos dois incidentes.