Última hora
This content is not available in your region

Banco Central da Rússia sobe taxas de juro

Banco Central da Rússia sobe taxas de juro
Tamanho do texto Aa Aa

O Banco Central da Rússia surpreendeu tudo e todos esta sexta-feira. Aumentou as taxas de juro: a de referência passou de 7,5 para 8%.

Os analistas não esperavam mudanças.

Esta é a terceira subida das taxas desde o início da crise na Ucrânia e o Banco Central diz estar pronto a subir ainda mais as taxas tendo em conta os riscos inflacionistas. Em junho, a inflação atingiu 7,8%.

Os analistas falam de uma medida preventiva para limitar a fuga de capitais face à eventualidade de mais sanções. Segundo as estimativas, no primeiro semestre, tenham saído da Rússia 75 mil milhões de dólares.

A União Europeia, depois das novas sanções dos Estados Unidos, poderá limitar o acesso dos bancos russos aos mercados financeiros europeus.

A economia russa já sofre. Mesmo sem ter em conta futuras sanções, o FMI baixou fortemente as previsões de crescimento.

Para este ano, cortou a estimativa de 1,3% para apenas 0,2%. E no próximo ano espera 1% contra os 2,3% previstos anteriormente. A instituição evoca para tal os riscos geopolíticos, o fraco investimento e a débil procura interna.

E os efeitos sobre a economia poderão vir a agravar-se com novas sanções, como afirmou Olivier Blanchard, economista-chefe do FMI.

A bolsa de Moscovo mostrou-se nervosa face à subida das taxas de juro e aos riscos de novas sanções que poderão visar o financiamento da economia.

Esta sexta-feira, o índice RTS perdeu 1,7% e o MICEX recuou 1,4%.