Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Serra Leoa torna-se epicentro da epidemia de ébola

Serra Leoa torna-se epicentro da epidemia de ébola
Tamanho do texto Aa Aa

A Serra Leoa é agora o novo epicentro da epidemia de Ébola que avança em África. Na região Ocidental do continente africano a doença provocou a morte a 660 pessoas até ao dia 20, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

É a pior epidemia de febre hemorrágica até hoje e parece estar fora de controlo. Poupada até agora, a capital Freetown conheceu a primeira vítima mortal, uma mulher que havia fugido deste hospital com a ajuda da família que a quis levar a a um curandeiro tradicional.

O Ébola já fez várias vítimas entre profissionais de saúde, em particular no Centro de Combate ao Ébola de Kenema, onde vários enfermeiros morreram e outros foram infetados, incluindo o diretor.

Na vizinha Libéria, dois americanos foram também infetados e um proeminente médico local acabou por sucumbir.

Os meios de luta contra o Ébola escasseiam, de acordo com um epidemiologista da OMS. “Os recursos que precisamos desesperadamente são pessoal, equipamento de proteção, medicamentos e equipamento hospitalar geral. Isto é uma emergência, estamos a lutar contra uma coisa que já se alastrou bastante e que vai tornar-se muito maior se não tivermos muitos mais recursos”, adiantou.

A epidemia começou a ser registada no dia 22 de março, na Guiné, passou para a Serra Leoa e a Libéria. Há receio que se possa ter propagado para a Nigéria, país que confirmou o primeiro caso de Ébola na última sexta-feira.

Tratou-se da morte de um liberiano que viajou para Lagos no dia 19, um sábado, e apresentou sintomas na terça-feira. Lagos é maior cidade da Nigéria com cerca de 20 milhões de habitantes e com uma rede sanitária degradada. O país tem 180 milhões de pessoas e um débil sistema de saúde.