Última hora
This content is not available in your region

Novo Banco público deixa para trás ativos tóxicos do BES

Novo Banco público deixa para trás ativos tóxicos do BES
Tamanho do texto Aa Aa

Separar o trigo do joio foi a opção do Banco de Portugal para travar o descalabro no Banco Espírito Santo. O agora denominado Novo Banco recebe uma injeção de 4,9 mil milhões de euros, permanecendo os ativos tóxicos no velho BES.

O galopar dos acontecimentos das últimas semanas forçou, este domingo, uma intervenção mais dura, disse o governador do Banco de Portugal.

“O risco de cessação de pagamentos e a incapacidade de cumprir as suas obrigações constituía um risco de contágio muito elevado, que punha em causa a estabilidade do sistema financeiro nacional. O Banco de Portugal decidiu-se por uma medida de resolução, incluindo a criação de um banco novo”, explicou Carlos Costa.

O governo usou dinheiro emprestado pela troika para recapitalizar a banca. Depois vai tentar vender o Novo Banco para a recuperar.

“Nas ruas não há pânico, as pessoas vão as agências normalmente pedir informacões. O dinheiro que o governo vai usar faz parte de uma almofada que tinha para fazer face a situacões de crise. Mas a soma – aquilo que o governo vai emprestar ao fundo de resolução – corresponde a 2,6% do PIB português e isso vai fazer disparar o défice, este ano, caso esse empréstimo não seja reembolsado até ao final do ano”, explica a jornalista da euronews, Patrícia Cardoso, em Lisboa.

O governo assegura que os contribuintes não vão pagar a conta, já que os ativos tóxicos ficam no BES e são da responsabilidade dos acionistas e dos credores.

O Novo Banco deverá proteger todos os depositantes e trabalhadores.