Última hora

Última hora

Etnia yezidi está em vias de extinção em nome de Alá

Em leitura:

Etnia yezidi está em vias de extinção em nome de Alá

Etnia yezidi está em vias de extinção em nome de Alá
Tamanho do texto Aa Aa

Milhares de yezidis do Iraque estão a ser mortos em nome de Alá. Milhares deles conseguiram fugir para as áridas montanhas, mas estão ameaçados pela fome, pela sede e sofrem um calor terrível. O alegado Estado Islâmico do Iraque, ocupou Sinjar, bastião dos yezidis, obrigando os 200 mil residentes a fugir. Os mais frágeis, idosos e mulheres grávidas, perderam a vida no caminho.
Uma deputada, Vian Dakhil, tornou-se a imagem da comunidade depois de ter lançado um apelo lancinante durante uma sessão do Parlamento em Bagdade: – Meus irmãos, esqueçamos as querelas políticas, queremos uma solidariedade humanitária. Falo aqui em nome da humanidade. Salvem-nos, salvem-nos. Somos massacrados, exterminados. A nossa religião está a ser riscada do globo. Suplico-vos em nome da humanidade, salvem-nos.
Entre 15 et 30 000 yezidis conseguiram chegar às montanhas. Alguns passam pela Síria, tentando chegar ao Curdistão iaquiano. São raros os que conseguem passar a fronteira turca.
Os cristãos não são a única minoria religiosa a ser perseguida pelo auto-proclamado Estado Islâmico. Odiados pelos islamitas, os yezidi do Iraque estão numa situação de desespero.
São membros de uma religião curda com antigas raízes indo-europeias. A maioria dos seguidores vivia em Mosul, cerca de 750 mil, na região do norte do Iraque. Existem comunidades tradicionais na Transcaucásia, Arménia, Turquia e na Síria, mas estas têm diminuído desde a década de 1990. Muitos emigraram para a Europa, especialmente para a Alemanha, Canadá e Estados Unidos.
Por isso os yezidid são regularmente perseguidos. Em agosto de 2007 foram alvo de vários atentados com viaturas armadilhadas.
Esta perseguição dura desde o século XIII, no século XIX foram vítimas de massacres em massa. A existência dos yezidis, como grupo étnico e religioso está ameaçada, apesar dos seus direitos estarem reconhecidos na Constituição iraquiana e na Constituição do Curdistão Federal. A mobilização e a ajuda internacional recebida por via aérea não são suficientes.