Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Mubarak nega responsabilidade pelo assassinato dos manifestantes em 2011

Mubarak nega responsabilidade pelo assassinato dos manifestantes em 2011
Tamanho do texto Aa Aa

O ex-presidente egípcio, Hosni Mubarak, negou esta quarta-feira, perante o tribunal, ter ordenado às forças de segurança que matassem manifestantes durante a revolução egípcia de janeiro de 2011.

“Mohammed Hosni Mubarak, aqui hoje diante de vós, não ordenou a morte de manifestantes, não deu nenhuma ordem para que fossem mortos manifestantes ou fosse derramado o sangue dos egípcios”, disse o antigo chefe de Estado.

Em 2012 Mubarak foi condenado a prisão perpétua, por não ter impedido a morte de 850 manifestantes, mas o tribunal reavaliou a sentença e ordenou um novo julgamento. O veredicto será conhecido no dia 27 de setembro.

Entre os egípcios, Mubarak continua a ter os seus apoiantes. Um homem defende o ex-presidente:
“O presidente Hosni Mubarak não merece o que lhe está a acontecer. Ele é um autêntico patriota. Estamos orgulhosos dele por nos ter deixado um exército capaz de proteger o povo egípcio dos nossos inimigos.”

Mas nem todos guardam simpatia pelo antigo presidente.

“Oponho-me a que seja apagada a revolução de 25 de janeiro. É algo que nunca deveria ter acontecido na história do Egito. Foi a revolução que nos trouxe a liberdade e graças a ela posso estar hoje aqui a dizer-lhe o que penso”, disse outro homem.

Três anos depois da insurreição contra Moubarak, outro militar, Abdel Fattah al Sissi, foi eleito presidente, depois de ter afastado do poder o islamista Mohamed Morsi, primeiro chefe de Estado democraticamente eleito no Egito.