A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Rússia inspeciona restaurantes McDonald's por "problemas sanitários"

Rússia inspeciona restaurantes McDonald's por "problemas sanitários"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os restaurantes da maior cadeia de comida rápida norte-americana parecem ser a nova vítima da resposta de Moscovo às sanções de Washington e Bruxelas sobre a Ucrânia.

As autoridades sanitárias russas levaram hoje a cabo inspeções surpresa em vários estabelecimentos MacDonald’s, em 16 regiões do país, depois de terem encerrado quatro restaurantes da cadeia em Moscovo.

Para um moscovita a decisão não é política, “pois tanto quanto sei a maioria dos produtos destes restaurantes é produzida na Rússia, apenas a marca é americana”.

Outro moscovita parece ter outra opinião, “se eles aprovaram sanções contra nós porque é que não podemos responder? O MacDonald’s é um símbolo do ocidente e penso que é um gesto simbólico para provar que também sabemos mostrar os dentes”.

Os inspetores justificaram os controlos e o encerramento dos estabelecimentos, evocando alegadas violações das regras sanitárias, enquanto o Kremlin afirma que não está a realizar uma inspeção generalizada a todos os restaurantes do país.

Entre os restaurantes encerrados ontem encontra-se o mais antigo MacDonald’s aberto na Rússia, em 1990, um símbolo do final da era soviética e do fim da guerra fria.

A Rússia tinha tomado medidas similares no passado durante crises diplomáticas quando proibiu o vinho georgiano ou as bebidas espirituosas moldavas, quando o país anunciou a vontade de aderir à União Europeia.

Os restaurantes McDonald’s tinham recentemente encerrado os seus restaurantes na Crimeia, depois da anexação à Rússia, oficialmente por “razões operacionais e estritamente comerciais”.

A empresa norte-americana, baseada no Illinois e para quem a Rússia representa o sétimo maior cliente mundial, afirmou num comunicado, estar a “analisar os relatórios dos inspetores russos para poder resolver a situação o mais rapidamente possível”.