Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

EUA reforçam presença militar no leste da Europa

EUA reforçam presença militar no leste da Europa
Tamanho do texto Aa Aa

Os Estados Unidos vão reforçar a presença militar no leste da Europa.

O anúncio foi feito por Barack Obama de visita à Estónia e justificado com a ameaça russa.

O presidente norte-americano lamenta que as sanções impostas contra a Rússia devido ao conflito na Ucrânia não tenham alterado a posição de Moscovo

“É evidente que a Rússia está a pagar um preço com a fuga de capitais e a queda do investimento devido ao comportamento do país” afirma Obama.

Os Estados Unidos estão dispostos a apoiar a reformas na Ucrânia e a prestar a assistência necessária para fortalecer o exército. Mas Obama deixa um aviso: “é importante diversificar as fontes de energia porque a Ucrânia não deve ficar refém de outro país que utiliza a energia como uma arma.”

Obama não exclui a adesão de novos países à Aliança Atlântica – como é, por exemplo, o caso da Ucrânia – mas lembra que a questão não está em cima da mesa nos próximos dois dias.

“A cimeira da NATO no País de Gales que conta com a presença do presidente ucraniano vai servir para mostrar que as 28 nações apoiam a Ucrânia e estão unidas na defesa da soberania territorial do país” conclui.

A instalação de bases permanentes da Aliança Atlântica na Europa de leste pedida pela Estónia está para já descartada por violar o acordo assinado em 1997 entre a NATO e a Rússia.