Última hora
This content is not available in your region

Turistas enchem ruas de Budapeste durante Festival Judaico de Verão

Turistas enchem ruas de Budapeste durante Festival Judaico de Verão
Tamanho do texto Aa Aa

O Festival Judaico de Verão de Budapeste tem vindo a afirmar-se com uma das grandes atrações turísticas da cidade.

Todos os anos, o festival reúne o melhor da tradição e da cultura judaica, da Música às artes plásticas, passando pela gastronomia.

A edição 2014 fica marcada pela comemoração dos 70 anos do holocausto. A data é assinalada com uma exposição na principal sinagoga da cidade.

“Pedimos aos rabis, aos bispos e a vários teólogos para escrever uma oração intitulada ‘Depois de Auschwitz’. Queríamos ter criações de artistas contemporâneos. As obras mostram que é possível ter uma colaboração entre religiões e nações”, afirmou o teólogo Adam Galambos, comissário da exposição.

Até à Segunda Guerra Mundial, o bairro judaico foi uma importante zona comercial da cidade.

Após um longo período de declínio, as ruas voltaram a encher-se de gente, nos últimos quinze anos.

O bairro tornou-se uma zona de diversão noturna recheada de bares e restaurantes.

A Budapest Klezmer Band é uma das presenças assíduas do festival.

“Normalmente, há três ou quatro mil pessoas no concerto, judeus e não só. Eles recebem este tesouro cultural judaico e o público volta para casa mais rico”, garantiu o pianista Ferenc Javori.

Além da arte, da música e da animação, a gastronomia é um dos pontos altos do festival.

“Flodni é um bolo tradicional judaico húngaro servido nas festas religiosas. O mais importante neste bolo é o facto de ele ter a alma das avózinhas ídiche. É feito com os melhores ingredientes. Se olhar para as diferentes camadas, pode ver as sementes de papoila, a maça, as nozes e o doce de ameixa”, explicou Rachel Raj, uma das grandes especialistas da gastronomia judaico-húngara.

Todos os anos, o evento atrai numerosos turistas de vários pontos do mundo, nomeadamente dos Estados Unidos: pessoas com origens judaicas, curiosas por conhecerem um pedacinho da cultura dos antepassados.

“Estou muito feliz por poder participar neste festival. A minha família tem um passado judeu.
Por isso é fantástico estar aqui e usufruir de uma cultura que tem a ver com uma parte da minha família”, disse uma turista norte-americana.

Stanley Sperber dirigiu o concerto do Coro da Academia de Música de Câmara de Jerusalém.

“Para nós, é uma enorme honra estar aqui. Há anos que ouvíamos falar deste festival. Graças ao George Adam, que é pai de um dos cantores foi possível estabelecer o contacto com um festival e fomos convidados a participar”, contou o maestro.

Foram precisos vários anos para integrar o evento na agenda cultural da cidade. Hoje em dia, é notória a mudança de mentalidades em relação ao festival.

“Quando o festival começou era difícil fazer publicidade na rádio ou com cartazes. A palavra judeu tinha um sentido pejorativo. Mas as coisas mudaram e a palavra judeu passou a ser sinónimo de uma bela cultura”, sublinhou Vera Vadas, diretora do evento.

O Festival Judaico de Verão termina a 7 de setembro em Budapeste.