Última hora
This content is not available in your region

Egípcios têm esperança neste alargamento do Canal do Suez

Egípcios têm esperança neste alargamento do Canal do Suez
Tamanho do texto Aa Aa

Está em curso uma corrida contra o relógio para terminar o novo Canal do Suez. O Egito quer abrir uma primeira parte da nova via marítima que abranja a atual para poder dar vazão ao tráfego nos dois sentidos.
A abertura vai reduzir de 11 para 3 horas a travessia de 72 km que separam o Suez no Mar vermelho e em PortPort Saïd, no Mediterrâneo.
A obra é executada pelo exército egípcio mas o projeto foi desenvolvido pelo presidente Al Sisi para estimular a economia egípcia e consolidar a popularidade.
Os cidadãos reconhecem:
“O presidente Sisi animou-nos com este projeto, devolveu-nos o sorriso, através de um projeto económico saudável está a desenvolver a economia egípcia no geral”.
O atual Canal dá um lucro de 3,9 mil milhões de euros ao Egito; a nova via vai aumentar os lucros para 10,5 mil milhões euros em 2023.
O Canal do Suez tem 145 anos e foi nacionalizado por Nasser, em 1956, apesar dos acionistas franceses e britânicos.
Em 1975, reabriu, depois de oito anos de fecho na sequência da Guerra dos Seis Dias. Foi então que apareceram os supercargueiros.
O alargamento completo só termina daqui a cinco anos, com um custo total calculado em 3 mil milhões de euros. Para o financiar, o Estado emitiu obrigações do tesouro que podem dar a ganhar até 12% do investimento inicial. Só os egípcios as podem comprar, na esperan4a de poder fazer um bom investimento e ajudar o país.
A criação de uma plataforma logística, em redor do Canal, é outra das mais valias previstas para a região. Mohammed Shaikibrahim, correspondente da euronews: – Dezenas de km desta terra passarão a ter água, para formar um novo canal de navegação, trazendo mais esperança de retorno de financiamento aos egípcios, de um novo impulso para a economia, tão afetada pelos problemas políticos e de segurança.