Última hora

Última hora

Guerra de números no primeiro dia de greve dos pilotos da Air France

Em leitura:

Guerra de números no primeiro dia de greve dos pilotos da Air France

Guerra de números no primeiro dia de greve dos pilotos da Air France
Tamanho do texto Aa Aa

A greve convocada pelo principal sindicato dos pilotos da Air France está a ter uma adesão na ordem dos 75 por cento.

O balanço do primeiro dia feito pela estrutura sindical é, no entanto, desmentido pela companhia aérea.

A diretora de operações da Air France diz que a adesão à greve ronda os 60 por cento e acredita que a companhia vai conseguir assegurar 40 por cento dos voos esta terça-feira.

Na origem do protesto, o plano de expansão da Transavia que prevê a abertura de novas bases fora dos países de origem, como por exemplo, Portugal.

O presidente do Sindicato Nacional dos Pilotos de Linha acusa a direção da Air France de querer criar uma nova companhia: a Transavia Europa. Uma empresa que pode passar a estar sujeita, por exemplo, à lei portuguesa. Jean-Louis Barber exemplifica. Os voos do Porto para Paris podem passar a ser assegurados por pilotos portugueses. Uma situação que vai originar a supressão de postos de trabalho. Em causa, conclui, está um projeto de deslocalização e de dumping social.

Milhares de passageiros estão a ser afetados pela paralisação. Muitos criticam o braço-de-ferro, mas há também quem compreenda as razões do protesto.

Uma mulher diz que os pilotos têm razão, mas lamenta que seja os passageiros a pagar a fatura.

A companhia estima que cada dia de greve possa custar 15 milhões de euros. Um montante que a direção vai ter de multiplicar por oito, caso não chegue a um acordo com o principal sindicatos dos pilotos da Air France.