Última hora
This content is not available in your region

Carros com condução automática testados na prática

Carros com condução automática testados na prática
Tamanho do texto Aa Aa

Os fabricantes de automóveis continuam a trabalhar nos carros com condução automática. A Honda apresentou o mais recente modelo e está a desenvolver uma tecnologia que permite que os veículos consigam dar sinal e mudar de via. O protótipo, o Acura RLX Sedan, usa um radar de médio e longo alcance, uma câmera e um scanner a laser para percecionar o meio ambiente.

Eric Blumbergs, Engenheiro Sénior da Honda explica: “Não é um carro sem condutor. Tem de haver um condutor no banco para acionar o sistema. E o condutor tem de estar disponível para voltar a assumir o comando quando o sistema completa a sua função.”

Os primeiros testes com este protótipo aconteceram em Detroit. O veículo acelerou automaticamente quando entrou na faixa de rodagem e travou na aproximação a outro carro. Dá sinal antes de mudar de via e a condução condução manteve-se durante 12 km.

“Temos um objetivo de zero acidentes, eventualmente, e também temos uma meta de segurança para todos. Acreditamos que esta tecnologia nos pode ajudar a alcançar estes objetivos e dar ao condutor uma experiência livre de stresse e segura”, acrescenta Eric Blumbergs.

A Honda tem vindo a trabalhar neste protótipo no Japão há cerca de um ano, mas este é o resultado de décadas de investigação relacionada com a segurança. O carro elétrico tem sido anunciado como o futuro da indústria automóvel, criado para substituir os motores a gasolina, mas ainda não é completamente viável, precisa de parar e ser ligado à corrente para carregar.

Agora, os especialistas da Imperial College de Londres, como Paul Mitcheson, acreditam que os carros elétricos, com uma tecnologia de carregamento sem fios, estão muito próximos: “A ideia do carregamento sem fios está presente na imaginação das pessoas. Mas, a ideia de carregar dispositivos médicos também é um aspeto fundamental, onde esta tecnologia pode ter um impacto significativo., Assim como carregar o telefone dentro do bolso. Estas coisas não são fáceis de fazer, mas são possíveis com este tipo de tecnologia.”

Mas, como é que esta tecnologia funciona? O fenómeno de indução eletromagnética foi descoberto pelo físico britânico Michael Faraday em 1831. Constatou que quando duas bobines eram colocadas próximas umas das outras e se aplicava potência numa delas, era produzido um campo magnético que induzia uma tensão sobre a segunda bobine.

A tecnologia de carregamento de proximidade pode transferir até 1,5 kW a uma distância de meio metro usando um recetor de luz, enquanto o sistema de longa distância pode transferir até 10 megawatts, a uma distância de 5 metros. O sistema vai ser testado em breve em carros de corrida elétricos.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.