Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ucrânia mais perto da UE

Ucrânia mais perto da UE
Tamanho do texto Aa Aa

Kiev e Estrasburgo estiveram mais juntas que nunca, com a aprovação, em simultâneo, no Parlamento Europeu (PE) e no parlamento ucraniano do tratado de associação União Europeia-Ucrânia.

Este tratado esteve na origem de toda a turbulência que o país viveu nos últimos meses e só agora se tornou possível: “A ratificação deste tratado, cujo texto não mudou uma vírgula desde o primeiro dia dos protestos pacíficos na praça Maidan, representa uma vitória da democracia”, disse o presidente do PE, Martin Schulz.

A ratificação acontece depois do cessar-fogo entre a Ucrânia e os separatistas pró-russos no leste do país. Ao fim de muito derramamento de sangue, o acordo prevê um estatuto especial para a região de Dombass.

Diz o presidente ucraniano Petro Poroshenko: “As centenas que morreram durante os protestos e os 876 bravos soldados ucranianos mortos em combate não morreram só pela Ucrânia. Deram a vida para que tivéssemos um lugar digno na família europeia”.

Segundo o tratado, a Ucrânia tem condições especiais no que tioca à importação de bens da União Europeia, mas não deixa de haver algumas concessões à Rússia. Toda a parte relacionada com o comércio livre só entra em vigor em 2016, para acalmar as tensões com o Kremlin.