Última hora
This content is not available in your region

França vai combater tabagismo com maços de cigarros neutros

França vai combater tabagismo com maços de cigarros neutros
Tamanho do texto Aa Aa

A França vai adoptar os maços de tabaco “neutros”, como medida de combate ao tabagismo.
As embalagens de marcas diferentes passarão a ter a mesma forma, tamanho, cor e tipo de letra.

A decisão foi anunciada pela ministra da Saúde, Marisol Touraine, sem que sejam ainda conhecidos os prazos para a entrada em vigor. Uma medida idêntica vai ser igualmente implementada na Inglaterra e na Irlanda.

O objectivo é reduzir o poder de atracção visual sobre o consumidor.

Em França vai passar a ser também proibido fumar em espaços públicos destinados a crianças e em viaturas de transporte de menores de 12 anos.

Serão igualmente interditos os cigarros electrónicos em lugares frequentados por menores, casos das escolas, transportes colectivos e espaços de trabalho fechados.

Nos dois últimos anos, os cigarros electrónicos tiveram em França uma enorme adesão. Em Março de 2014, foi interdita a venda a menores.

A França segue assim o exemplo da Austrália, que introduziu os maços “neutros” em 2012, tendo sido verificada desde então uma diminuição de mais de 3% nas vendas de tabaco.

Segundo um estudo do governo australiano, o número de fumadores habituais com idade superior a 14 anos baixou de 15,1% em 2010 para 12,8% em 2013 e a idade média para o primeiro cigarro passou dos 14 para os 16 anos.

Uma directiva europeia adoptada em Fevereiro prevê o aumento do tamanho dos avisos sobre os riscos do tabaco para a saúde colocados nos maços, com imagens chocantes sobre os efeitos prejudiciais do tabaco a cobrir 65% da superfície das embalagens.

O governo português está a preparar regulamentação que vai implementar a directiva comunitária sobre o tabaco.
Em Portugal, o tabaco mata cerca de 10 mil pessoas por ano e custa cerca de 500 milhões de euros ao sector da saúde. Um em cada cinco portugueses é fumador, segundo dados da Direcção-Geral de Saúde.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.