A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Abbas acusa Israel de genocídio em Gaza

Abbas acusa Israel de genocídio em Gaza
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Num discurso diante da Assembleia geral das Nações Unidas, nesta sexta-feira, o presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmuod Abbas, acusou Israel de ter realizado “uma guerra de genocídio” em Gaza, sublinhando que o “fim do bloqueio imposto por Israel” é condição prévia para o sucesso de negociações de paz.

“Israel decidiu realizar este ano um novo genocídio contra o povo palestiniano. Num ano quando esta assembleia, em nome dos povos e dos países do mundo, exprimiu a vontade e a determinação de construir uma paz justa que dê a liberdade e a independência ao povo palestiniano no seio do seu estado da Palestina, ao lado de Israel”, disse Mahmoud Abbas.

“Permitir a Israel violar o direito internacional em inteira impunidade, criou um clima propício ao terrorismo”, afirmou o líder palestiniano.

“Em nome da Palestina e do seu povo, afirmo que não esqueceremos e não perdoaremos e que não deixaremos os criminosos de guerra escapar à punição”, insistiu Abbas, acrescentando que “É chegada a hora de encerrar o último capítulo desta tragédia que se arrasta desde a nakba de há 66 anos”, em referência à proclamação da independência do Estado de Israel em 1948.

“Soou a hora da independência da Palestina”, concluíu o presidente da Autoridade Palestiniana.

O acordo conseguido no Cairo entre o movimento Fatah de Abbas e o Hamas, vai viabilizar, na opinião do líder político do Hamas em Gaza, Ismail Haniyeh, o trabalho de um governo de unidade. Um passo fundamental, na véspera da conferência dos dadores para a reconstrução da Faixa de Gaza, que vai realizar-se no Cairo, no dia 12 de outubro.

Durante os 50 dias de guerra em Gaza entre julho e agosto, a terceira no enclave palestiniano em seis anos, perderam a vida mais de dois mil palestinianos, na maioria civis.