Última hora
This content is not available in your region

Ébola fragiliza cada vez mais as crianças

Ébola fragiliza cada vez mais as crianças
Tamanho do texto Aa Aa

As crianças são as mais atingidas pela epidemia do Ébola. A UNICEF lançou um alerta sobre o problema dos orfãos, abandonados à sua sorte quando ficam sozinhos.. Na Libéria, na Guiné Conacri e na Serra Leoa, mais de 3700 crianças perderam os pais. O medo do Ébola acentua o problema do abandono destas crianças, insiste a organização da ONU de proteção à infância.

A OMS calcula que as crianças representam 15% dos casos de morte devida ao vírus. Nas ruas foram criados postos de abastecimento de água para as crianças se lavarem. Elas estão particularmente expostas, como explica a responsável de uma ONG especializada em ajuda à infância:

Zainab Tunkara Clasrkson:

- As crianças estão sempre a brincar na rua. Tocam umas nas outras, abraçam-se. Mesmo que a gente lhes diga para não se tocarem, elas jogam futebol e fazem essas brincadeiras em que não tocar é impossível… temos de as educar num outro sentido.

A educação é um outro problema na Serra Leoa. Tal como na Libéria, as escolas continuam fechadas. Assim, o governo da Serra Leoa ‘criou um projeto de aulas através da rádio. O responsável do projeto, do ministério da Educação, Brima Michael Turail:

- Perdemos mais de 22 professores na luta contra o vírus e ninguém imagina que podíamos deixar as escolas abertas…. esses professores eram muito interativos nas escolas, muitos estudantes contrairam a doença que, por sua vez, levaram para casa e contaminaram o resto da família.

Neste contexto, a UNICEF afirma só ter recebido um quarto dos 200 milhões de dólares prometidos para enfrentar a epidemia.