Última hora

Última hora

Pessoal médico espanhol quer demissão da ministra sobre caso de Ébola

Pessoal médico espanhol quer demissão da ministra sobre caso de Ébola
Tamanho do texto Aa Aa

Em Espanha, o pessoal médico está a aproveitar o caso de Ébola para protestar contra os cortes e pedir a demissão da ministra da Saúde.

O hospital Carlos III, em Madrid, onde está a ser tratada a enfermeira infetada com o Ébola, tem vindo a ser alvo de cortes e está em perigo de fechar.

Apesar de tudo, os trabalhadores do hospital garantem que estão a seguir todas as regras de segurança: “A nossa atitude, enquanto pessoal médico, é a de reforçar as medidas de prevenção, aplicarmo-nos no que fazemos e seguir à risca todo o protocolo que nos foi instruído”, diz uma enfermeira do hospital.

A opinião pública põe em causa as condições em que foram tratados os dois missionários infetados que foram repatriados para Espanha. Um deles contagiou a enfermeira que está agora doente.

Diz Juan José Cano, do sindicato dos enfermeiros SATSE: “Pedimos uma investigação sobre este assunto. Os responsáveis têm de se ir embora. Se alguém tiver de se demitir, que se demita. Se alguém é responsável por isto, que vá embora”.

“Uma enfermeira que foi chamada para tratar a outra enfermeira, Teresa, que está infetada com o Ébola, aqui no hospital Carlos III, contou-nos que a atmosfera é muito nervosa. O estado de Teresa é estável. Está a ser tratada com transfusões de uma freira que foi infetada pelo Ébola em África”, relata Carlos Marlasca, correspondente da euronews em Madrid.

artigos relacionados:

Factos sobre o Ébola