Última hora
This content is not available in your region

Orçamento francês longe do aceitável, diz presidente do Eurogrupo

Orçamento francês longe do aceitável, diz presidente do Eurogrupo
Tamanho do texto Aa Aa

A França não deverá ter mais tempo para cumprir a meta do défice mas, tal como os outros países que usam a moeda única, poderá ver as reformas estruturais compensadas com vários tipos de injeção de capital.

Esta é a única flexibilidade defendida pelo presidente do Eurogrupo, que reuniu, esta segunda-feira, no Luxemburgo, os ministros das Finanças da zona euro.

“Respeito muito a França e é ao governo que cabe elaborar o orçamento para 2015 e enviá-lo à Comissão Europeia”, disse Jeroen Dijsselbloem.

“Mas tem que perceber que a flexibilidade não significa que tudo é possível. Com base no que ouvimos até agora, há um grande fosso entre o que deviam fazer para cumprir as regras e o orçamento que pretendem apresentar”, acrescentou.

A França não conseguiu reduzir o déficit abaixo dos 3% do PIB no final de 2013 e Bruxelas acedeu a prolongar o prazo por mais dois anos, mas o governo de Paris já disse que vai falhar outra vez.

Grande defensor da austeridade, o ministro alemão, Wolfgang Schäuble, disse que “as regras europeias existem para serem respeitadas. Mas estou confiante de que a França vai encontrar uma solução”.

Quarta-feira é o dia limite para a entrega, em Bruxelas, dos orçamentos para 2015.

O governo de Portugal aprovou o documento na madrugada de domingo, propondo cortar o défice para os 2,5% do PIB e um crescimento económico de 1,5%.