Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Portugal: primeiro orçamento pós-troika prevê menos austeridade apenas em Bruxelas

Portugal: primeiro orçamento pós-troika prevê menos austeridade apenas em Bruxelas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O governo português pede menos austeridade a Bruxelas mas o mesmo rigor aos portugueses, no primeiro orçamento de Estado da era pós-troika.

O documento, apresentado ontem pela ministra das Finanças e que deverá ser votado no parlamento no final de Novembro, evita um novo aumento dos impostos sem diminuir a carga fiscal (através de impostos indiretos), nem anular as medidas mais contestadas como a sobretaxa sobre o IRS, a Contribuição Extraordinária de Solidariedade ou o congelamento de salários da função pública.

As medidas submetidas à Comissão Europeia, prevêm um objetivo de redução de défice superior ao fixado com Bruxelas de 2,5% do PIB.

A ministra das Finanças justificou ontem a decisão de pedir menos austeridade a Bruxelas:

“O governo optou por não aumentar os impostos. A proposta de orçamento para o próximo ano prevê um défice de 2,7% do PIB, este objetivo está ligeiramente acima do acordado mas surge depois de três anos de esforços intensos e o respeito por vários pontos no programa de ajustamento”, afirmou a ministra Maria Luís Albuquerque.

O primeiro-ministro Passos Coelho garantiu ontem que o novo orçamento – que prevê uma eventual redução dos sacrifícios dependente das receitas do IVA e do IRS do próximo anos – não foi “feito a pensar nas eleições” de junho de 2015.

A proposta de lei é criticada pela oposição socialista como pouco credível, quando o documento prevê um crescimento da economia de 1,5% e uma baixa do desemprego em 0,8 pontos para 13,4%, superior a algumas estimativas.