Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Benjamin C. Bradlee: A morte de um ícone do jornalismo

Benjamin C. Bradlee: A morte de um ícone do jornalismo
Tamanho do texto Aa Aa

Este terá sido um dos últimos momentos altos na vida de Benjamin C. Bradlee, o homem que trouxe a lume o escândalo Watergate. O momento, em novembro de 2013, em que foi condecorado, por Barack Obama, na Casa Branca, com a Medalha Presidencial da Liberdade, tinha 92 anos. O antigo diretor do “Washington Post” faleceu, de causas naturais, quase um ano depois.

“As pessoas falam aos jornalistas por um motivo. Cabe ao jornalista compreender o porquê, da melhor forma possível, e eu penso que nós compreendemos Mark Felt. Ele estava perturbado por aquilo que viu acontecer na Casa Branca, aquilo que viu estar a ser encoberto e decidiu divulgá-lo”, esclareceu, Bradlee, em 2005, o ano em que foi também divulgada a fonte do “Washington Post”, no caso que levou à demissão do Richard Nixon. Mark Felt, antigo agente do FBI foi, em primeira instância, o responsável pela queda do Chefe de Estado num escândalo de corrupção que abalou os Estados Unidos.

Foi com investigações como esta, sob a gestão desta figura lendária do jornalismo, que o “Washington Post” se tornou numa referência e conquistou 17 prémios Pulitzer.