Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Ucrânia: debate para a formação de um governo de coligação marcado por divergências

Ucrânia: debate para a formação de um governo de coligação marcado por divergências
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Arseniy Yatseniuk acredita que vai continuar a chefiar o executivo ucraniano. Quando estão contados cerca de 99 por cento dos votos, a formação Frente Popular liderada pelo primeiro-ministro cessante surge como a mais votada nas legislativas deste domingo. No entanto, e para governar vai precisar de parceiros de coligação.

“Sugiro que a nova coligação se chame Ucrânia Europeia. Um nome pensado para representar aqueles que estiveram na praça Maidan e para dar resposta a algumas das principais reivindicações, desde logo, a assinatura de um acordo entre a Ucrânia e a União Europeia e para fazer deste um país europeu” afirma Arseniy Yatseniuk.

No entanto, e antes disso, vai ser preciso chegar a um entendimento com outras formações políticas.

A Frente Popular recolheu cerca de 22 por cento dos votos e surge a, apenas, duas décimas de distância do bloco de Petro Porochenko. O chefe de Estado ucraniano propõe uma coligação formada por três partidos, ou seja, os mais votados. Yatseniuk prefere uma coligação alargada a cinco, entre eles o partido Pátria de Iulia Timochenko que terá recolhido pouco mais de 6 por cento dos votos. A antiga primeira-ministra já disse que está pronta para integrar o novo governo.

Decisivo vai ser o papel do partido Auto-Ajuda, uma formação que surpreendeu tudo e todos ao conquistar a terceira posição.

Euronews: “se os partidos aceitarem a proposta de Yatseniuk, os nomes dos candidatos aos cargos ministeriais devem ser conhecidos até segunda-feira. A formação do novo executivo vai seguir o modelo da Comissão Europeia, pelo que os candidatos têm de ser ouvidos por uma comissão parlamentar, uma sessão transmitida em direto pela televisão.”