A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Exposição em Varsóvia conta "mil anos de história dos judeus polacos"

Exposição em Varsóvia conta "mil anos de história dos judeus polacos"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A exposição “Mil anos de história dos judeus polacos” acaba de abrir as portas ao público em Varsóvia.

A presença judaica na Polónia data da Idade Média, uma presença relativamente pacífica e tolerada até à razia antisemita levada a cabo pelos nazis.

A Polónia tinha a maior comunidade judaica da Europa. Mais de três milhões de judeus viviam no país antes de 1939. Hoje são apenas dez mil.

“A exposição mostra a grande riqueza da vida e da cultura dos judeus na Polónia. Podemos ver também a riqueza do contributo cultural dos judeus durante os anos pacíficos, quando eram prósperos até à altura dos acontecimentos dramáticos e trágicos. Para mim, é o aspeto mais interessante do museu”, disse Dariusz Stola, diretor do museu de História dos Judeus Polacos.

Durante a era comunista na Polónia, houve um “apagão” em torno dos judeus e do holocausto. A exposição recupera a memória coletiva de um período pouco conhecido.

“A exposição principal do museu é importante para a história comum das duas nações. É uma fotografia de um tempo em que não havia fotografias. É um retrato da chegada dos judeus à polónia e da coexistência com os polacos que às vezes era difícil. Os mil anos de história dos judeus polacos foram reconstituídos nesta exposição”, disse Hanna Gronkiewicz-Waltz, presidente da câmara de Varsóvia.

O museu situa-se no antigo Gueto de Varsóvia criado pelos nazis durante a segunda guerra mundial.

O edifício foi construído pelo arquiteto finlandês Rainer Mahlamäki.

“Quisemos criar uma área branca para os criadores das exposições para que pudessem ter a liberdade de usar tecnologias modernas”, disse Rainer Mahlamäki.