Última hora
This content is not available in your region

Polémica sobre política fiscal no Luxemburgo "embaraça" Juncker

Polémica sobre política fiscal no Luxemburgo "embaraça" Juncker
Tamanho do texto Aa Aa

O Luxemburgo e o seu ex-primeiro-ministro durante duas décadas estão no centro do furacão por causa da investigação jornalística internacional que revelou como multinacionais pagam impostos mínimos sobre lucros astronómicos.

Trata-se de acordos privados entre o governo do Luxemburgo e mais de 300 empresas, como a Apple, Ikea e Pepsi, entre 2002 e 2012.

À margem de uma reunião do Eurogrupo, em Bruxelas, esta quinta-feira, o ministro das Finanças do pequeno país, Pierre Gramegna, disse que “esta é uma situação totalmente legal e se é legal não há motivos para nos apontarem o dedo”.

O dedo está a ser apontado a Jean-Claude Juncker, recém empossado presidente da Comissão Europeia, mas ex-chefe do governo do Luxemburgo de 1995 a 2013.

Aliás, o país é um dos que já estava a ser investigado pelo anterior executivo europeu por alegadas ajudas de Estado indevidas.

Jean-Claude Juncker disse que “a Comissão fará o seu trabalho, mas eu abstenho-me de intervir nesta matéria. Trata-se de um tema a ser analisado pela comissária responsável pela Concorrência”.

O eurodeputado sueco dos Verdes, Sven Giegold, considera fundamental esclarecer o passado, mas também perceber que lições vão ser tiradas.

“A credibilidade de Jean-Claude Juncker como presidente da Comissão Europeia fica claramente posta em causa e o mais importante agora é saber se ele vai atuar como Presidente da Comissão ou como ex-primeiro-ministro do Luxemburgo. Isto é, se vai esclarecer o que fez no passado e, ainda mais importante, se vai apresentar um plano contra esta forma agressiva de planeamento fiscal usada por multinacionais a atuar na Europa”, disse à euronews Sven Giegold.

A dinamarquesa Margrethe Vestager é a nova Comissária para a Concorrência que herdou investigações em curso não só sobre o Luxemburgo, mas também sobre a Irlanda e Malta.

Bruxelas também pediu mais informações nesta área à Bélgica, Chipre, Holanda e Reino Unido.

ICIJ: Luxembourg Leaks