Última hora
This content is not available in your region

Viver na Estação Espacial Internacional (EEI)

De  Nelson Pereira
Viver na Estação Espacial Internacional (EEI)
Tamanho do texto Aa Aa

Se é fã da exploração espacial, não perca a nossa entrevista exclusiva com os astronautas Samantha Cristoforetti e Terry Virts, que será emitda na segunda-feira 16 de março.
Os engenheiros de voo estão normalmente em missão a centenas de quilómetros da Terra, na Estação Espacial Internacional e Claudio Rosmino, da Euronews, vai colocar-lhes questões para saber como se vive no espaço orbital, nas instalações da EEI.

Não perca a entrevista de Claudio Rosmino aos astronautas Samantha Cristoforetti e Terry Virts, na Euronews, às 20:45, hora de Lisboa, na segunda-feira 16 de março, ou através de Video-On-Demand em Euronews.com.

O que é a EEI?

A Estação Espacial Internacional é um projeto comum de cinco agências espaciais: NASA (EUA), Roscomos (Rússia), JAXA (Japão), ESA (Europa) e CSA (Canadá).

Colocada em funcionamento em fins de 1998, a EEI recebeu os seus primeiros residentes – um comandante norte-americano e dois cosmonautas russos – em novembro de 2000. Durante os seus 15 anos de existência, a estação, que tem capacidade máxima para uma tripulação de seis elementos, foi habitada por um total de 215 pessoas.

A EEI encontra-se em órbita baixa da Terra, entre 340 e 435 km de altitude.

O projeto foi lançado para que passasse a existir um laboratório e observatório com capacidade para preparar futuras missões espaciais à Lua e outros planetas do sistema solar ou a asteróides e outros corpos celestes.
De acordo com a NASA, os estudos que têm sido realizados na EEI permitiram já alcançar resultados importantes para a melhoria das condições de vida na Terra, em áreas como o desenvolvimento de vacinas e a assistência a desastres naturais e à produção agrícola.

A EEI em números

Em maio de 2013 a Estação Espacial Internacional informou que os custos do projeto, durante um período de dez anos, foram de cerca de 100 mil milhões de euros em despesas de desenvolvimento, construção e funcionamento. A contribuição europeia para o projeto foi de cerca de oito mil milhões de euros, aproximadamente “um euro anual por cada cidadão europeu”.

O comprimento total da EEI é de 109 metros, enquanto o módulo central mede 51 metros de comprimento. O peso total da estação é de cerca de 420 toneladas. A estação dispõe de 14 módulos habitáveis no interior da estrutura, que representam um volume total de 935 metros cúbicos de espaço habitável, um volume cerca de uma vez e meia superior ao de um Boeing 747.

Para fazer uma visita à EEI guiada por Sunita Williams, da NASA, siga esta ligação

A ligação ISS stream dá acesso a vídeos “live” do interior da EEI durante o período de trabalho da tripulação, com imagens da Terra vista da estação.

E vale a pena apreciar este vídeo que mostra a EEI em imagens tiradas a partir da Endeavour.