A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Grécia interessado no gasoduto "Turkish Stream" recebe diretor da Gazprom

Grécia interessado no gasoduto "Turkish Stream" recebe diretor da Gazprom
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Grécia está muito interessada no projeto do gasoduto “Turkish Stream”, que foi mesmo classificado como “prioritário” pelo ministro grego da Energia.

Nesse sentido, o diretor da Gazprom, Alexei Miller, foi recebido, esta terça-feira, em Atenas, pelo primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras.

Em discussão, por um lado, os 2 mil milhões de euros de investimento grego na construção do gasoduto; por outro, o respeito das regras europeias que obrigam a uma dissociação entre fornecedor de energia e proprietário da infraestrutura.

Miller parece ter resposta para as duas questões: “Este projeto pode ser realizado através de um consórcio russo-europeu. Há várias empresas europeias interessadas no ‘Turkish Stream’. Este projeto será realizado dentro do estrito respeito da legislação europeia. Gostaria de referir que a legislação europeia nunca representou um problema, para nós.”

O ‘Turkish Stream’ – que deverá substituir o projeto do South Stream – visa transportar o gás da Rússia para a Europa, através do Mar Negro, evitando assim o trânsito pelo Ucrânia. A partir da fronteira turco-grega, o gasoduto poderá depois prolongar-se para a Itália, por um lado, e para os Balcãs Ocidentais e a Europa central por outro.

Symela Touchtidou, correspondente da euronews em Atenas, recorda: “O governo grego precisa urgentemente de dinheiro e parece determinado a ir buscá-lo onde seja possível.”

Os rumores dizem que Moscovo poderá fazer um adiantamento, a Atenas, pela utilização do território grego, no trânsito do gás. Algo que, o analista Konstantinos Fillis, considera pouco provável: “Seria algo sem precedentes: a Rússia pagar adiantado por um projeto que apresenta um certo número de incertezas e que está longe de estar implementado. Mas se chegarmos à situação em que a Rússia queira avançar esse dinheiro, podemos ter a certeza de que pedirá algo em troca.”

Fugas de informação do governo grego revelam, contudo, que, a realizar-se, esse adiantamento poderia atingir os três mil milhões de euros. Moscovo já desmentira a imprensa alemã que referia cinco mil milhões.