Última hora
This content is not available in your region

Máquina para produzir biogás na Cisjordânia

Máquina para produzir biogás na Cisjordânia
Tamanho do texto Aa Aa

Numa aldeia perto de Jericó, na Cisjordânia, os habitantes produzem eletricidade graças a painéis solares e obtém biogás graças a uma pequena máquina fácil de utilizar.

O sistema foi implementado recentemente por uma empresa de Israel. A partir dos dejetos dos animais, a máquina fabrica o gás necessário para cozinhar duas horas por dia. Antes da instalação do novo sistema, os habitantes cozinhavam em fogões a lenha.

A máquina custa cerca de 500 euros e foi concebida pelo engenheiro palestiniano Amer Rabaya.

“O sistema funciona como um estômago onde os dejetos são introduzidos. É um estômago similar ao dos humanos. No interior, há bactérias que comem os dejetos, o que produz o gás que é canalizado para a casa”, explicou Amer Rabaya.

A tecnologia não é nova mas a primeira geração de máquinas era mais pesada e de fabrico complexo. O novo sistema cabe numa caixa e é fácil de montar.

“Inventámos uma forma de introduzir a tecnologia do biogás em cada lar. Hoje percebemos que o lixo pode ser uma fonte de energia, o que altera as regras do jogo. Se as pessoas virem os benefícios que podem obter graças aos dejetos, deixam de considerá-los com simples lixo e isso muda tudo”, afirmou Ron Yariv, diretor de vendas da empresa.

Em Israel, uma centena de famílias aderiu ao novo sistema. Karine e Omer são um jovem casal com um estilo de vida ecológico.

“Plantei batatas, cenouras e sementes, tento usar sempre sementes nos meus cozinhados”, contou Karine.

Com uma alimentação baseada em legumes, o casal produz quantidades elevadas de restos vegetais que podem ser usados para fabricar do biogás e como adubo natural.

«Os resíduos que ficam depois do fabrico do gás saem por aqui e podemos usá-los como adubo para as plantas e para as árvores”, explicou Omer.

Para o jovem casal, a máquina de biogás faz parte de um modo de vida ecológico em que nada se perde tudo se transforma.

“É um ciclo que se renova e isso para mim é muito importante e permite evitar tarefas de que ninguém gosta como por exemplo, ir deitar o lixo fora. Não somos obrigados a fazê-lo. É o mesmo no caso dos adubos, normalmente é preciso comprá-lo e trazê-lo para aqui, neste caso temos tudo aqui. Dá-nos uma grande satisfação porque sentimos que contribuímos para um mundo melhor”, acrescentou Omer.

A empresa israelita que fabrica as máquinas de biogás procura atualmente financiamento para expandir o negócio.