Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Perguntas e respostas sobre o vírus de Zika

Perguntas e respostas sobre o vírus de Zika
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O vírus de Zika foi isolado, pela primeira vez, em 1947, num macaco rhesus, numa floresta do Uganda. Porque razão começou agora a espalhar-se?

A cientista brasileira Laura Rodrigues, do Instituto de Medicina Tropical de Londres, resume os conhecimentos atuais sobre o vírus de Zika.

Porque razão o vírus de Zika começou a espalhar-se?

Laura Rodrigues: “Há muitas coisas que não sabemos. Talvez tenha havido uma mutação do vírus que facilita a transmissão mas a razão pode ser o aumento das viagens. As pessoas viajam cada vez mais. Se uma pessoa infetada vai para outro país, se for picada pelo mosquito, o vírus pode ser transmitido”.

Como se faz o diagnóstico do vírus de Zika ?

Laura Rodrigues: “No início da epidemia, no Brasil, havia dificuldade em distinguir o vírus de Zika do da dengue mas as coisas são hoje mais claras. A erupção cutânea surge antes da doença, enquanto na dengue, a pessoa fica doente durante dois dias e só depois tem erupções cutaneas. A dengue só raramente provoca olhos vermelhos e comichão. As diferenças começam a ficar mais claras”.

O vírus é a causa da microcefalia do feto?

“Tornou-se claro logo no início que os bebés com microcefalia sofriam de calcificação no cérebro, por isso sabíamos que a causa era uma infeção. Há uma lista de infeções que podem causar microcefalia e conseguimos excluir todas essas possibilidades, o que significa que havia uma nova infeção que causava microcefalia. Os danos são irreversíveis. As estruturas do cérebro do feto foram afetadas e não podemos reverter a situação”.

*Existe tratamento contra o vírus de Zika? *

Laura Rodrigues: “Podemos tentar investigar se existe um tratamento antiviral que proteja as mães infetadas de forma a reduzir o risco de transmissão ao filho. Ainda é cedo para saber, é uma investigação que poderá ser realizada”.