A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Terapias usam realidade virtual para tratar fobias. Veja como funciona

Terapias usam realidade virtual para tratar fobias. Veja como funciona
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O uso da realidade virtual no tratamento de fobias tem vindo a generalizar-se em vários países. No hospital Van Gogh, em Charleroi, na Bélgica, os pacientes visualizam as imagens 3D que lhes provocam mal-estar graças a uns óculos especiais,

A pessoa que vai fazer um exercício com realidade virtual sabe que está num ambiente seguro, mas, o cérebro reage como se o ambiente fosse real. Nós jogamos com essa diferença para ajudar as pessoas.

Nathalie sofre de fobia das multidões e de acrofobia, o medo das alturas.

“A pessoa que vai fazer um exercício com realidade virtual sabe que está num ambiente seguro, mas o cérebro reage como se o ambiente fosse real. Nós jogamos com essa diferença para ajudar as pessoas durante os exercícios da terapia. No início, a terapia virtual baseava-se no uso de jogos de vídeo. Usávamos as imagens dos jogos para tratar a acrofobia, o medo das alturas e o stresse pós-traumático”, explicou o psicólogo Noël Schepers.

Como há vários tipos de fobias, os investigadores têm vindo a desenvolver programas adaptados às necessidades de cada distúrbio. Na Suíça, os cientistas da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL) criaram uma máquina que produz efeitos muito específicos.

“Para conceber a nossa máquina de substituição da realidade pensámos que mais do que criar um conteúdo em 3D seria interessar filmar uma cena panorâmica com o som e imagem o que permite viver uma experiência mais verdadeira graças à realidade virtual”, explicou o neurocientista Bruno Herbelin, da EPFL.

Em países como os Estados Unidos e o Canadá, a realidade virtual tornou-se parte integrante do tratamento das fobias. Mas alguns cientistas afirmam que ainda é cedo para conhecer todos os efeitos da terapia, nomeadamente, a forma como o cérebro reage, no longo prazo, a uma exposição prolongada às imagens 3D.