Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Estudo brasileiro mostra que é possível travar vírus Zika com mosquitos geneticamente modificados

Estudo brasileiro mostra que é possível travar vírus Zika com mosquitos geneticamente modificados
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Um estudo brasileiro demonstra que é possível combater a proliferação do vírus Zika graças a mosquitos geneticamente modificados.

A bactéria Wolbachia pode bloquer o vírus da Dengue, o vírus chickungunya e o vírus da febre-amarela. Agora, sabemos também que ela pode bloquear o vírus Zika.

O vírus é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, o mesmo que transmite a dengue. Em laboratório, o inseto foi inoculado com a bactéria Wolbachia e a transmissão do vírus foi bloqueada.

A investigação foi desenvolvida na Fundação Oswaldo Cruz, no Brasil.

“Poderíamos libertar mosquitos com Wolbachia para substituir a população de mosquitos nalgumas regiões ou cidades, o que nos permitiria parar a transmissão da doença. Descobriu-se que a Wolbachia pode bloquer o vírus da Dengue, o vírus chickungunya e o vírus da febre-amarela. Agora, sabemos também que ela pode bloquear o vírus Zika”, explicou Luciano Moreira, investigador da Fundação Oswaldo Cruz.

Os cientistas dividiram os mosquitos portadores do vírus em dois grupos, um com Wolbachia e outro sem Wolbachia. Depois de duas semanas, os investigadores injetaram a saliva em mosquitos sadios. A saliva dos mosquitos com Wolbachia, não permitiu a transmissão do vírus.

A bactéria Wolbachia foi desenvolvida pela primeira vez na Austrália para impedir a transmissão da dengue.

“Algumas pessoas pensam que é preciso injetar a bactéria nos ovos de cada mosquito e depois libertá-lo mas não é assim. Inicialmente, tratou-se de um processo bastante difícil, que levou muitos anos a desenvolver, mas, agora, que já conseguimos fazê-lo, o processo é barato. Basta cultivar as larvas e libertá-las”, afirmou Scott O’Neill, especialista do programa de combate à dengue e professor na Universidade de Monash, na Austrália.

O Brasil é um dos países mais afetados pela microcefalia, uma doença que afeta o cérebro do feto, causada pela infeção com o vírus Zika durante a gravidez.

A Organização Mundial de Saúde afirma que a propagação do vírus representa uma urgência em termos de saúde pública, ao nível mundial.

“A situação vai criar pesados problemas de saúde pública e económicos, caso muitas crianças nasçam com microcefalia e outras doenças congénitas. O custo dos cuidados de saúde para este tipo de doença é de vários milhões de dólares”, disse Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional para as Alergias e Doenças Infeciosas , nos Estados Unidos.

No Brasil, um milhão e meio de pessoas foram infetadas. E o desenvolvimento de uma resposta terapêutica é um processo lento. Cientistas de vários países, Estados Unidos, Brasil, Índia, França e Áustria trabalham atualmente em projetos para desenvolver uma vacina contra o vírus do Zika.

A fase de testes poderá levar vários anos, dependendo da forma da intensidade da propagação do vírus.

“Se, no início de 2017, continuarmos a ter surtos de grandes dimensões na América do Sul e nas Caraíbas, será possível saber se a vacina é eficaz dentro de um ano. Se a infeção se propagar como a do vírus Ébola na África Ocidental, onde também testámos vacinas, poderá levar três anos para saber se a vacina é ou não eficaz”, acrescentou o responsável.

As autoridades sanitárias estão particularmente atentas ao arranque dos Jogos Olímpicos do Rio, a 5 de agosto, já que milhões de pessoas vão viajar do sul para o norte do continente.