Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Revista 2016 sbore espaço recorda dramas e sucessos na última fronteira

Revista 2016 sbore espaço recorda dramas e sucessos na última fronteira
Tamanho do texto Aa Aa

Abrimos a nossa revista de 2016 com algumas missões espaciais importantes. Em 2016, enviamos algumas naves espaciais para conhecer os nossos vizinhos, com a Europa e a Rússia em Marte, e os americanos em Júpiter.

Houve drama no centro de operações da ESA, em Darmstad (Alemanha), em outubro, quando a sonda Schiaparelli, que deveria ter demonstrado que os europeus conseguem pousar no planeta vizinho, caiu na superfície a 300 km/h.

No entanto, a missão ExoMars continuou, com o projeto Trace Gas Orbiter a entrar em órbita ao redor do planeta e a enviar dados científicos sobre a presença de metano na atmosfera, numa caça à vida em Marte.

Houve cenas mais felizes na NASA, em julho, quando a sonda Juno entrou em órbita em torno de Júpiter, embora desde então o aparelho tenha registado problemas, posicionando-se agora numa órbita muito maior em torno deste gigante do gás em relação ao que os cientistas desejavam.

No entanto, a sonda enviou algumas imagens sem precedentes sobre o planeta que domina o nosso sistema solar.

Finalmente, a missão que emocionou muitos corações chegou ao fim em setembro. A sonda Rosetta, despenhou-se lenta e deliberadamente no cometa que seguia desde 2014.

2016 foi um ano em que a exploração do espaço passou a ser um setor aberto aos empresários privados que sonham com as estrelas.

A moda mais recente é a tecnologia aeroespacial reutilizável. A companhia Espaço X, de de Elon Musk falhou, voltou a tentar e foi nem sucedida, em abril, com a aterragem perfeita de um foguetão numa barcaça flutuante.

No Texas, a empresa espacial Blue Origin lançou vários foguetões New Shepard, incluindo uma para testar uma cápsula de fuga, que terminou numa aterragem perfeita pelo reator principal.

A empresa fundada por Jeff Bezos, da Amazon, acredita que os foguetões reutilizáveis podem reduzir radicalmente o custo da exploração do espaço.

Outro empresário espacial, Richard Branson, assistiu ao primeiro voo e aterragem, sem ligação por cabos, do avião espacial Virgin Galactic VSS Unity, naquele que e mais um passo para tornar realidade o turismo espacial.

Em novembro, quatro dos satélites de navegação do projeto europeu Galileo foram levados para órbita a bordo de um foguetão Ariane 5, elevando para 18 o número total de satélites e dando início a operacionalidade do serviço europeu equivalente ao GPS.

Quatrocentos km acima de nossas cabeças, a estação espacial internacional teve um outro ano atarefado: o astronauta britânico da ESA, Tim Peake, regressou da sua missão no espaço, e o astronauta francês, Thomas Pesquet, partiu para uma estadia de seis meses.

Para terminar, recordamos o falecimento do astronauta John Glenn, a 8 de dezembro, aos 95 anos. A 20 de fevereiro de 1962, foi o primeiro norte-americano a fazer a orbita ao redor da Terra. Glenn regressou ao espaço, aos 77 anos, a bordo da nave Discovery.