Última hora

Última hora

A estreia de "Elixir de Amor," de Donzetti, na Staatsoper de Viena

Em leitura:

A estreia de "Elixir de Amor," de Donzetti, na Staatsoper de Viena

A estreia de "Elixir de Amor," de Donzetti, na Staatsoper de Viena
Tamanho do texto Aa Aa

Gaetano Donizetti e o libertista Felice Romani compuseram Elixir de Amor em 1832, a pedido de Alessandro Lanari, do Teatro della Canobbiana, o teatro lírico de Milão, para a temporada.

Elixir de Amor tem como ingrediente principal o humor e inspira-se na opéra-comique francesa Le Philtre, de Eugène Scribe, estreada um ano antes, em Paris. 

Estreada em Milão, gozou de grande êxito e tornou-se numa das mais conhecidas óperas de Donizetti.

A história passa-se numa época e lugar indeterminados, sabendo-se apenas que os acontecimentos têm lugar numa pequena aldeia, no período das colheitas.

A fórmula é simples e recorre a personagens e situações habituais no chamado teatro cómico universal, ainda que Donizetti e Romani se tenham esforçado para adaptar o modelo à realidade social e cultural italiana, mas também aos códigos de criação dramatúrgica dominantes no país transalpino.

Benjamin Bernheim na Staastoper

O tenor francês Benjamin Bernheim dá os primeiros passos na cena lírica da capital austríaca ao encarnar o papel de Namorino.

"Nemorino é a juventude. A juventude e a inocência," explicou Bernheim à Euronews.

"É aquele momento em que vivemos o primeiro grande amor. Antes de entendermos como funcionamos em sociedade, como funcionam o desejo e a arte de fazer-se desejar".

Uma boa forma de conhecer o Bel Canto

Nemorino vive apaixonado por Adina, interpretada pela soprano moldava Valentina Naforniţă:

"No começo, tudo o que ela faz é brincar com Nemorino. Mas depressa entende que sente algo por ele. E podemos conhecer outro lado de Adina, mais profundo," diz Naforniţă à Euronews.

"Adina acaba por rejeitar o casamento com Belcore, um belo oficial militar. Nemorino vê assim recompensada a compra de um suposto elixir capaz de tudo resolver a um charlatão, Dulcamara, elixir não passa de vinho."

Para o maestro Frédéric Chaslin, Elixir de Amor "é uma história muito simples, muito clara, muito límpida, divertida e bem contada".

"É uma boa forma de iniciação ao Bel Canto, plo menos desta época."

Uma opera que, apesar da facilidade com que é tocada por uma orquestra como a Filarmónica de Viena, pode ser um desafio para os cantores, explica o maestro Chaslin:

"Para uma orquestra como a orquestra Filarmónica de Viena, é uma tarefa relativamente fácil. Para os cantores, é o contrário. São momentos de emoção uns atrás dos outros."

Em Viena, um público rendido

O público de uma cidade como Viena, cuja história se encontra intimamente ligada à ópera, aguardava com expectativa a interpretação de Benjamin Bernheim da ária Una Furtiva Lagrima.

O tenor francês parece não ter tido dificuldade, já que recebeu uma ovação de um auditório decididamente rendido ao seu talento.

À Euronews, Benjamin Bernheim explicou que pretende segur os conselhos do tenor italiano Carlo Bergonzi. "Disse-me que tentou fazer sempre o papel de Nemorino pelo menos uma vez por temporada, para ter uma voz dinâmica."

"É um papel que nos faz muito bem, porque não tem, de forma alguma, uma carga negativa. É uma personagem que nos faz cantar com um sorriso."

Mais sobre musica