Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Pedrógão Grande dois anos depois da tragédia

Pedrógão Grande dois anos depois da tragédia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Estrada Nacional 236-1. Para a história: a estrada da morte.

É a imagem que fica na memória da tragédia ocorrida a dezassete de junho de dois mil e dezassete, em Pedrógão Grande, pelo fogo.

Morreram mais de sessenta pessoas.

Dois anos depois, assinala-se pela primeira vez o Dia Nacional em Memória das Vítimas de Incêndios Florestais.

Também o Dia Mundial contra a Desertificação e a Seca.

Fala-se hoje também, no entanto, de um novo barril de pólvora a crescer.

A limpeza da floresta está atrasada.

Faltam apoios, diz Margarida Guedes, vice-presidente da câmara de Pedrógão Grande:

"Se passearmos pelas zonas mais interiores e pelos nossos aceiros vemos que há imenso pinhal caído e ninguém lá vai tira-lo. Aí é que devia haver algum tipo de intervenção, não nossa que não temos capacidade financeira para o fazer, mas os proprietários se calhar também não têm. E isso tudo é um foco de combustível, não tenho dúvidas".

Um receio também sublinhado pelo presidente da Associação de Produtores e Proprietários da Floresta de Pedrógão Grande, Jorge Fernandes:

"Se as pessoas não puderem investir nas suas propriedades, tornando-as rentáveis, vão deixá-las às espécies invasoras. Em vez de termos uma propriedade a produzir e que se consegue gerir, vamos ter uma cheia de acácias e silvas, sempre disponível para ser percorrida por incêndios."

A tutela garante ter resolvido setenta por cento dos terrenos sinalizados pela falta de limpeza.

O ministro Eduardo Cabrita garante que nunca houve tanto investimento na prevenção contra incêndios florestais.

Na agora tristemente simbólica região, os habitantes não estão convencidos e sublinham os avisos.

"É com efeito, um barril de pólvora que se está a criar aqui em Pedrógão Grande", desabafa João Viola, residente de Noderinho, Pedrógão Grande.