Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Crescimento em baixa na Europa

Crescimento em baixa na Europa
Direitos de autor
Diritti d'autore: REUTERS/Francois Lenoir
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A economia europeia vai continuar a crescer a um ritmo moderado não se prevendo para breve uma aceleração.

Esta a avaliação da Comissão Europeia contida nas previsões económicas para os próximos meses.

Relativamente a este ano não há mudanças a assinalar: prevê-se que a UE atinja 1,4% de crescimento e a zona euro deverá chegar aos 1,2%.

No próximo ano, as previsões apontam para um crescimento de 1.6% no bloco com o crescimento na zona euro a abrandar nos 1,4%.

O conflito comercial entre a China e os Estados Unidos é o principal obstáculo, segundo o comissário europeu para os assuntos económicos e financeiros, Pierre Moscovici.

"Este ritmo de crescimento moderado deverá continuar na segunda metade do ano.
A tendência negativa presente na produção industrial global ainda não atingiu o ponto mais baixo. As perspectivas do comércio global são, como todos sabem, ensombradas pelo aumento do proteccionismo e tensões entre os Estados Unidos e a China", disse Moscovici.

As situações, contudo, diferem por todo o continente.

As previsões para Itália permanecem inalteradas. A economia italiana será a que menos vai crescer entre os 28. Já no próximo ano prevê-se uma aceleração para os 0,7%, igualmente a menor do bloco.

Numa nota positiva, Moscovici realçou a diminuição das dívidas assim como o diálogo entre os países.

"Estou satisfeito por termos sido capazes de não só reduzirmos significativamente o défice na Europa e especialmente na zona euro, mas também de não termos tido que sancionar nenhum país resolbendo os problemas através do diálogo", adiantou.

A comissão manteve inalteradas as previsões para o Reino Unido cuja economia se prevê cresça 1,3% este ano e no próximo.

No entanto, as projeções não levam em linha de conta as perturbações causadas por uma ausência de acordo.