A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Eurodeputados "bloqueados" para liderança de comissões

Eurodeputados "bloqueados" para liderança de comissões
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Nenhum dos 73 eurodeputados da bancada da extrema-direita no Parlamento Europeu obteve posições de coordenação nas comissões parlamentares.

Também não foram atribuídos cargos de presidente ou vice-presidente das comissões aos 29 eurocéticos britânicos eleitos pelo Partido Brexit.

Vários partidos moderados organizaram um boicote nos bastidores, impedindo a aplicação de um sistema representativo transversal.

"É uma vergonha, é um desrespeito pela democracia e, em particular, pelo parlamento enquanto instituição. As regras parlamentares estabelecem, claramente, que todas as sensibilidades políticas devem estar representadas", disse, à euronews, Tom Vandendriessche, eurodeputado belga da extrema-direita.

"O nosso grupo deveria ter a coordenação de comissões, o que foi negado por um maioria de bloqueio que não respeita os 21 milhões de votos dados aos membros da bancada Identidade e Democracia", acrescentou Tom Vandendriessche.

Bloqueio ao Fidesz e ao Partido Lei e Justiça

Houve outras vítimas do chamado "cordão sanitário", nomeadamente os eleitos pelos partidos ultraconservadores que estão no governo na Polónia, Partido Lei e Justiça, e na Hungria, Fidesz.

Os liberais, verdes e socialistas impediram que a ex-primeira-ministra polaca Beata Szydlo presidisse à comissão parlamentar de Emprego.

Três eurodeputados húngaros eleitos pelo Fidesz também não conseguirem ganhar as candidaturas às vice-presidências de comissões, incluindo um para a de Justiça, conhecida por LIBE (Liberdades Civis, Justiça e Assuntos Internos).

"Todos os eurodeputados liberais na comissão LIBE defendem o princípio de que, para levar a sério o trabalho ao nível do Estado de direito, não podemos eleger como coordenador alguém de um partido que destrói o Estado de direito", explicou, à euronews, Anna Donáth, eurodeputada húngara liberal.

Apesar do bloqueio, outro proeminente membro do Fidesz, Tamas Deutch, foi eleito vice-presidente da Comissão de Controle Orçamental, que investiga o uso indevido dos fundos da União Europeia.