A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Aumenta a tensão entre sindicatos e Governo

Aumenta a tensão entre sindicatos e Governo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Ao terceiro dia de greve dos motoristas de matérias perigosas em Portugal, aumenta a tensão entre as diferentes partes.

Governo pondera decretar a requisição civil em regiões onde ainda não o tinha feito, face a um incumprimento dos serviços mínimos pelos motoristas.

"O incumprimento de serviços mínimos levara necessariamente a ser alargado o âmbito da requisição civil," declarou o ministro do Meio Ambiente e Energia, João Matos Fernandes.

Ao inicio de quarta-feira, o porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas, Pardal Henriques, afirmou que os motoristas não iam cumprir os serviços mínimos ou a requisição civil.

Uma resposta do Sindicato à notificação judicial de trabalhadores que, na terça-feira, não estiveram ao serviço no âmbito da requisição civil decretada pelo Governo, na segunda-feira.

"Ninguém vai sair daqui hoje. Ninguém vai cumprir serviços mínimos nem requisição civil. Não vão fazer absolutamente nada," afirmou o porta-voz do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas, Pardal Henriques.

O Governo identificou o incumprimento de serviços mínimos no abastecimento da zona sul do país a partir de Sines, no abastecimento da Rede Emergência de Postos de Abastecimento, no abastecimento dos aeroportos e no abastecimento das unidades autónomas de gás natural.

Os sindicatos em greve - Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas e o SIMM (Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias) - pretendem um acordo para aumentos graduais no salário-base até 2022.