A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Os automóveis SUV na mira da Greenpeace

Os automóveis SUV na mira da Greenpeace
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em matéria de automóveis, "maior não significa melhor", defendem as organizações de defesa do ambiente. A Greenpeace aponta o dedo aos veiculos utilitários desportivos, os famosos SUV, como vetor de uma ampla campanha contra a poluição automóvel, acusando os fabricantes de lançarem em permanência novos modelos.

Os veículos desportivos urbanos - SUV em inglês - representavam apenas 15% das vendas globais de veículos ligeiros em 2013; representarão 35% este ano e 40% do mercado global até 2025.

A campanha surge em simultâneo com o início do Salão Automóvel de Frankfurt, o maior da Europa, onde a tendência parece ser outra, como refere o editor adjunto do Autocar, James Attwood: "A grande tendência são os carros elétricos. É o ano em que estamos a ver as grandes marcas a lançarem, de forma massiva, carros elétricos no mercado. Temos a Volkswagen com o ID.3; a Porsche com o desportivo Taycan; a Honda tem o protótipo de pequeno carro elétrico para a cidade que é muito giro e divertido de conduzir em uso urbano; há também os modelos da Renault e Peugeot. Todas estas e outras marcas têm uma série de produtos e conceitos completamente elétricos".

Para o perito alemão em automóveis, Ferdinand Dudenhöffer, a tendência elétrica tem mais a ver com obrigações dos construtores do que com escolha do público.

"Os automóveis elétricos não estão a entrar no mercado porque as pessoas os querem absolutamente, mas porque a Comissão Europeia existe e estabeleceu objetivos em matéria de CO2, que só podem ser atingidos com automóveis elétricos", afirma.

Os automóveis são responsáveis por cerca de 12% das emissões totais de dióxido de carbono (CO2) da UE e o tempo está a esgotar-se para os fabricantes de automóveis europeus, que esperaram até ao último minuto para tentar cumprir os ambiciosos objetivos da UE em matéria de emissões de carbono.

Os retardatários arriscam-se a multas de milhares de milhões de euros.