A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Brexit discutido no Luxemburgo

Brexit discutido no Luxemburgo
Direitos de autor
REUTERS/Yves Herman
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Lado a lado, mas divididos. Foi assim que Boris Johnson e Xavier Bettel saíram do almoço de trabalho, no Luxemburgo, onde o o Brexit teve aquela que será a última oportunidade para acontecer com um acordo.

Com um coro de protestos à espera e muitos jornalistas, o primeiro-ministro britânico optou por ir embora, sem dar uma conferência de imprensa. O homólogo luxemburguês permaneceu para responder às questões.

Xavier Bettel deixou claro que não haverá mais um alargamento do prazo para a saída do Reino Unido da União Europeia sem fundamento. "Uma extensão só é uma opção se servir um propósito. Não vamos alargar o prazo só porque sim", afirmou.

Antes do encontro com Bettel, já Jean-Claude Juncker e Michel Barnier se tinham reunido com o primeiro-ministro britânico, mas, apesar da presença do Presidente da Comissão Europeia e responsável comunitário para as negociações do Brexit, a chegada a acordo entre o Reino Unido e a União Europeia ainda parece estar longe.

No entanto, numa entrevista concedida mais tarde, Boris Johnson manteve o que chamou "um otimismo cauteloso".

"Temos de gerir este assunto com cuidado. Sim, há uma grande probabilidade de chegarmos a acordo, Sim, consigo ver em que moldes vai ser estabelecido. Toda a gente consegue ver mais ou menos o que poderia ser feito. Mas será necessário ação", disse o primeiro-ministro britânico.

A questão da fronteira que pode vir a dividir a ilha da Irlanda está a separar o Reino Unido da União Europeia. O consenso sobre o tema, assim como a chegada a um acordo, ainda parece estar longe. Boris Johnson insiste em que as propostas estão em cima da mesa. Mas a União Europeia responde que ainda está à espera de que Londres dê uma alternativa ao backstop.