Última hora
This content is not available in your region

Franceses contestam projeto de reforma das pensões

Franceses contestam projeto de reforma das pensões
Tamanho do texto Aa Aa

Em França, é forte a mobilização contra a reforma das pensões. Este dia 5 de dezembro foi marcado por greves e manifestações em todas as cidades do país.

O líder da central sindical CGT, Philippe Martinez diz que esta é a resposta a um mau projeto de reforma: "As tentativas de divisão por parte do governo, tentando estigmatizar os pseudo-privilegiados, não funciona. A resposta está na rua com o privado, o público, os reformados, os jovens, todos juntos. Isto mostra que este mau projeto diz respeito a todos e que estamos aqui a dizer que não o queremos".

A reforma visa acabar com os 42 regimes diferentes no país e criar um regime universal. Os franceses temem que o projeto ponha em causa os direitos adquiridos. Um homem mostra-se preocupado: "A mim, o que mais me preocupa é que não vejo futuro. Penso que a reforma acabará por desaparecer".

O dia foi de protesto e de greves. O setor dos transportes foi o mais atingido. Uma utente dos comboios afirma: "Eu entendo o movimento e as dificuldades, mas somos nós, os utentes, que nos encontramos encurralados nesta história e não sei se será desta forma que teremos vontade de apoiar os trabalhadores".

REUTERS/Gonzalo Fuentes

O ministro dos Transportes, Jean-Baptiste Djebbari, diz que o governo está preparado e esperava esta reação: "Não estou surpreendido. Já tinha anunciado há um mês e meio que a mobilização de 5 de dezembro seria importante. Isto confirma-se. O governo está preparado e está em contacto constante com os sindicatos há várias semanas", afirmou.

De acordo com a CGT, um milhão e meio de franceses saiu à rua nas principais cidades do país; segundo dados do ministério do Interior houve 860 mil manifestantes em toda a França.

A greve atingiu todos os setores e, em alguns, promete continuar. Há sindicatos a estender a paralisação a outras datas e anunciam-se outras formas de luta. Os profissionais dos transportes, por exemplo, prometem 15 operações de bloqueio nas estradas francesas este sábado.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.