Última hora
This content is not available in your region

Investigação revela alegado campo para espiões russos em França

Investigação revela alegado campo para espiões russos em França
Tamanho do texto Aa Aa

A março de 2018, em Salisbury, sul do Reino Unido, Sergei Skripal, o ex-agente russo, e a filha eram vítimas de uma tentativa de envenenamento. As suspeitas caíram rapidamente sobre a Rússia. Desde então, o caso está a ser investigado pelo Reino Unido, pela Suíça e pela França.

O jornal francês "Le Monde" investigou em paralelo com as autoridades e revelou mais cinco nomes a juntar aos dez que já tinham sido identificados pela polícia. Em entrevista à Euronews, Jacques Follorou, jornalista do "Le Monde" explicou mais pormenores sobre a investigação que está a decorrer desde 2018.

"É extremamente complicado para eles agirem como agentes secretos, porque já não o são."
Jacques Follorou
Jornalista do "Le Monde"

Segundo a investigação, o departamento de Alta Sabóia, o qual faz fronteira com a Suíça, era um "campo de treino para espiões russos" especialistas em assassinatos personalizados.

"A hipótese mais lógica mantida pelas autoridades francesas, britânicas e suíças é que Alta Sabóia era considerado um local de fácil acesso, perto de Genebra, o que lhes permitia mobilidade fácil e discreta na Europa Ocidental.", conta Jacques Follorou. "O departamento francês é também um local muito popular entre os turistas russos, como Megeve, Chamonix, Annemasse ou Genebra.", explica o jornalista.

Região de Alta Sabóia, França

Esta terá sido a primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial que um ataque químico foi "encomendado por um país no solo de um outro na Europa", segundo o jornalista do "Le Monde", referindo-se ao caso Skripal.

França sem registos de crimes do género

Os serviços secretos franceses não detetaram nenhuma operação ilegal entre 2014 e 2018, o que pode comprovar que os agente russos não agiriam em França. Segundo a investigação, os espiões só cometeriam os crimes "fora do território francês": No Reino Unido, Moldávia, Montenegro e Bulgária. Desde o crime de Salisbury nenhuma ação suspeita foi levantada.

Segundo Jacques Follorou, muitos dos agentes estão sujeitos a mandados de captura europeus e, por tal, não podem circular livremente na Europa. "É extremamente complicado para eles agirem como agentes secretos, porque já não o são.", explica. "Este tipo de serviço teve que ser pausado e estará provavelmente em fase de reorganização.", conta o jornalista.

Os serviços secretos europeus acreditam que o Kremelin estará a recorrer a outros campos de treino que não os europeus para não "criar ruído".

Ver artigo | Tudo o que sabemos sobre o caso Skripal

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.