Última hora
This content is not available in your region

Instituto Ricardo Jorge identificou 150 mutações do novo coronavírus

Access to the comments Comentários
De  Euronews com Lusa
Virus Outbreak Florida
Virus Outbreak Florida   -   Direitos de autor  John Raoux/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) encontrou 150 mutações do novo coronavírus desde Wuhan, na China, até Portugal, depois de ter começado a sequenciar o genoma.

Até ao fim da semana, o INSA prevê sequenciar 450 amostras do novo coronavírus em Portugal, sendo que, até ao momento, já foram encontradas "150 mutações do coronavírus", afirmou o presidente do Instituto Ricardo Jorge, Fernando Almeida, durante a conferência de imprensa diária de atualização de informação sobre a pandemia em Portugal.

"Desde Wuhan [na China] até Portugal, o genoma já foi alterado 150 vezes", acrescentou o responsável.

O estudo, de âmbito nacional, está a ser liderado pelo INSA, contando com a participação do Instituto Gulbenkian da Ciência e do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde.

Segundo Fernando Almeida, a sequenciação do genoma do SARS-CoV-2 permite identificar "a impressão digital deste coronavírus" e perceber se o vírus que saiu de Wuhan "é o mesmo ou se tem outras linhas ou não".

"Este genoma permite também identificar clara e inequivocamente, num determinado doente que foi infetado com coronavírus, toda a sua linha de transmissão e de onde veio essa linha de transmissão", salientou o responsável, realçando que esta ferramenta "é muito importante" face à fase de desconfinamento em que o país entrou.

Com este trabalho, os investigadores poderão também perceber se "há linhagens mais severas e mais agressivas" e que poderão constituir motivo de maior atenção no tratamento, explanou.

"É o tempo de ir em busca daquilo que o coronavírus nos pode dar em termos de resposta", sublinhou Fernando Almeida.

Durante a conferência de imprensa, o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, explicou que este estudo, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), pretende sequenciar mil genomas do coronavírus.

A sequenciação do genoma irá permitir "identificar cadeias de transmissão, a escala e a cronologia da transmissão, os pontos de entrada em Portugal" e, com essa informação, "avaliar o impacto das medidas de contenção" e "orientar as medidas a implementar em caso de um novo surto", referiu.