Última hora
This content is not available in your region

Macron lamenta "desordem" da ONU e do mundo

euronews_icons_loading
Macron lamenta "desordem" da ONU e do mundo
Direitos de autor  Georges Gobet/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente francês lamentou o facto de as Nações Unidas, tal como o mundo, estarem em "desordem".

Emmanuel Macron defendeu que é no contexto da ONU que devem ser desenvolvidas estratégias para o combate à pandemia da Covid-19 e às alterações climáticas.

O lamento de Macron surgiu numa mensagem em vídeo na cimeira virtual da ONU, por ocasião dos 75 anos da organização.

O gaulês acredita que as fundações da ONU estão desgastadas e que "as suas paredes estão a rachar, por vezes sob os golpes das próprias pessoas que as construíram. Tabus que se pensava serem invioláveis estão a ser levantados - a guerra da anexação, a utilização de armas químicas, a detenção em massa impune. Os direitos que foram tomados como garantidos estão a ser violados. E o nosso sistema internacional, prisioneiro de rivalidades, já não tem força para punir estes abusos".

Ilustrando as divisões, os Estados Unidos da América anunciaram que retomaram medidas punitivas contra o Irão, alegando sanções das Nações Unidas contra o regime de Teerão.

O secretário de Estado norte-americano exigiu que a União Europeia siga o exemplo.

Mike Pompeo referiu que os Estados Unidos deixaram "bem claro que cada Estado-membro das Nações Unidas tem a responsabilidade de aplicar estas sanções. Isto inclui certamente o Reino Unido, a França e a Alemanha." Por isso, conclui que Washington tem "expectativas de que essas nações apliquem estas sanções".

No entanto, vários países contestaram a medida e afirmaram que os Estados Unidos não podem recuperar as sanções da ONU que expiraram no domingo.