Última hora
Advertising
This content is not available in your region

Guterres pede fim de confrontos entre israelitas e palestinianos

euronews_icons_loading
Guterres pede fim de confrontos entre israelitas e palestinianos
Direitos de autor  AP Photo
Tamanho do texto Aa Aa

O Secretário-Geral da ONU pede o fim, imediato, dos confrontos no Médio Oriente, entre israelitas e palestinianos. António Guterres alerta que se corre o risco de se "desencadear uma crise de segurança e humanitária incontrolável" na região:

"Este ciclo, sem sentido, de derramamento de sangue, terror e destruição deve terminar imediatamente. Todas as partes devem respeitar o Direito Internacional e os Direitos Humanos. O status quo nos locais sagrados deve ser mantido e respeitado", afirmou Guterres na abertura de uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU.

Um encontro virtual para debater esta crise e na qual o chefe da Diplomacia palestiniana, enquanto membro observador do organismo, acusou Israel de "crimes de guerra" e descreveu a tragédia que diz se vive no terreno:

"Não há palavras para descrever os horrores por que o nosso povo está a passar neste momento. Um bebé, chamado Omar Hadidi, nasceu há apenas 5 meses e terá agora de viver sem a mãe e os irmãos Oussama, de 6 anos, Abdul-Rahman de 8 e Suhaib de 14 anos. Todos mortos num ataque aéreo israelita", explicou Riyad al-Maliki.

Israel reagiu acusando o Hamas de ser o responsável pelo conflito, pelas mortes e por ter lançado os primeiros ataques para assumir o poder a Cisjordânia. Mostrando uma fotografia de uma alegada vítima o representante permanente de Israel na ONU falou também da situação dramática que se vive no país:

"(...) Nadine Awad, uma menina de dezasseis anos, cidadã árabe de Israel, estava a estudar química e biologia, sonhava mudar o mundo. Ela foi assassinada, na quarta-feira passada, pelo grupo radical, terrorista e jihadista Hamas. Um roquete do Hamas caiu sobre a sua casa, no centro de Israel, matando-a a ela e ao seu pai", Gilad Erdan.

O número de civis mortos neste conflito é elevado, dos dois lados. Uma preocupação para António Guterres que se mostrou também alarmado com o ataque aos meios de comunicação em Gaza.