Última hora
This content is not available in your region

Srebrenica: Prestes a ser conhecida a sentença de Ratko Mladic

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Srebrenica: Prestes a ser conhecida a sentença de Ratko Mladic
Direitos de autor  "UN-IRMCT/LESLIE HONDEBRINK-HERM/AFP
Tamanho do texto Aa Aa

Em 2017 o Tribunal penal Internacional para a ex-Jugoslávia declarou Ratko Mladić culpado de 10 das 11 acusações - genocídio de bósnios em Srebrenica, crimes contra a humanidade, violações de leis e costumes de guerra e condenou-o a prisão perpétua, tendo-o absolvido de uma acusação de genocídio em seis municípios da Bósnia, em 1992.

A justiça internacional deu como provado que: "Mladic pôs em marcha, sob o controlo de oficiais subordinados, uma operação bem organizada em grande escala que assassinou mais de 7.000 homens e rapazes em poucos dias e retirou à força mais de 30.000 mulheres, crianças e homens idosos do território". Os factos foram expostos no tribunal pelo procurador, Dermot Groome.

A acusação inicial foi apresentada em 1995, e após 16 anos em fuga, Mladić foi preso na casa de um primo, na aldeia de Lazarevo, em 2011.

Durante o julgamento, o procurador lembra: "Mladic fala sobre eliminar pessoalmente o povo de Sarajevo como se fosse um desporto, uma forma de recreação".

Uma vez mais, as famílias das vítimas que vão a Haia para acompanhar o julgamento, esperam que o veredicto seja confirmado.

Kada Hotic, uma mãe que perdeu dois filhos no massacre, afirma: "Esperamos que a sua vida na prisão seja confirmada. Esperamos que sejam acrescentadas acusações adicionais de genocídio na cidade de Prijedor e noutros locais. Se houver justiça, então, isto irá acontecer".

: A equipa de defesa Mladić apresentou um recurso da sentença original. A acusação respondeu solicitando que fosse declarado culpado também do genocídio cometido nos seis municípios Bósnios, em 1992.

Desde o início do julgamento em 2012, a defesa tem alegado que o estado de saúde do antigo general é precário, impedindo-o de acompanhar o processo.

O processo tem-se arrastado entre recursos e substituições de juízes. As famílias das vítimas esperam conhecer finalmente o que reserva a justiça humana a um dos mais desumanos genocidas da história da Europa, que ficou conhecido como o "carniceiro dos Balcãs".