Última hora
euronews_icons_loading
Novo parlamento do Sudão do Sul toma posse

O novo parlamento do Sudão do Sul tomou posse, este domingo, cumprindo uma das mais importantes promessas do frágil acordo de paz firmado em 2018 com o objetivo de pôr termo a cinco anos de guerra civil.

No total, 588 deputados fizeram o juramento de posse numa cerimónia na capital sudanesa, Juba, presidida pelo presidente do Supremo Tribunal de Justiça.

A criação de uma assembleia nacional inclusiva, que hoje engloba delegados do partido no poder e de antigas fações rebeldes que assinaram as tréguas, foi uma condição-chave do cessar-fogo num conflito onde 400 mil pessoas perderam a vida.

Após dez anos de independência, celebrados a 9 de julho, e quase um ano de atraso, a assembleia permanece incompleta, com 62 deputados ausentes da cerimónia, alguns devido a disputas com o governo sobre o acordo de partilha do poder.

Atualmente, de acordo com o Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), o Sudão do Sul tem dezenas de milhares de pessoas deslocadas e milhões de refugiados. Já a UNICEF estima que, em 2021, 1,4 milhões de crianças deverão sofrer de subnutrição aguda e mais de 300 mil vão sofrer de desnutrição aguda grave, correndo o risco de morrer.