This content is not available in your region

Tsipras divide eurodeputados no Parlamento Europeu

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Tsipras divide eurodeputados no Parlamento Europeu

Recebido pelo presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, em Estrasburgo o primeiro-ministro grego não escapou à chuva de críticas de alguns eurodeputados.

Antes do início do debate sobre a Grécia Alexis Tsipras foi presenteado com abraços e apertos de mão, mas à medida que os trabalhos avançaram o clima tornou-se gradualmente tenso.

“Estou revoltado porque se fala de reformas, mas nunca vemos propostas concretas de reformas. Vamos propor o fim dos privilégios na Grécia, os privilégios dos proprietários de embarcações, os privilégios dos militares, da igreja ortodoxa”, sublinhou, em tom de crítica, o líder do grupo dos Liberais europeus, Guy Verhofstadt.

No final da última cimeira dos líderes da zona euro, o presidente da Comissão Europeia disse que a União Europeia “tem um cenário de Grexit preparado e em detalhe.” Esta quarta-feira, no Parlamento Europeu, Jean-Claude Juncker optou pela parcimónia das palavras: “Dou razão a todos aqueles que disseram que era preciso voltar à mesa das negociações. É o nosso lugar. Foi um erro abandonar a mesa das negociações.”

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, adotou uma postura conciliadora: “Se querem ajudar um amigo com problemas não o humilhem. Neste momento precisamos de unidade.”

Gianni Pittella, o líder dos socialistas e democratas, saiu em defesa da posição do governo de Atenas: “O mais urgente agora é um empréstimo-ponte que permita à Grécia evitar a bancarrota.”

Já a eurodeputada Marine Le Pen, do partido de extrema-direita Frente Nacional, tem outra visão: “É preciso organizar a renegociação da Grécia, talvez com uma moratória, para permitir ao país sair da União monetária e reencontrar a via do crescimento.”