This content is not available in your region

Comissão Europeia sublinha “desempenho económico sólido” de Portugal

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Comissão Europeia sublinha “desempenho económico sólido” de Portugal

O comissário europeu dos Assuntos Económicos elogiou os “progressos muito fortes” da economia portuguesa.
Pierre Moscovici acredita que a Comissão Europeia deve decidir em breve a saída de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo. Estas declarações foram feitas pelo comissário durante a apresentação das previsões económicas de inverno.

As previsões de crescimento económico de Portugal foram então revistas em alta para 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2017 e 1,5% em 2018 e “o mercado de trabalho também continua a melhorar a um ritmo firme”.

O défice deverá ter ficado nos 2,3% do PIB em 2016 e que deverá cair para 2,0% em 2017.

O PIB da Zona Euro deverá então crescer mais uma décima do que o previsto anteriormente: o Produto Interno Bruto da zona euro deve crescer 1,6% em 2017 e 1,8% em 2018, acrescentando assim uma décima às suas estimativas anteriores de novembro, quando previa 1,5 e 1,7%, respetivamente.

Para o conjunto da União Europeia a 28, Bruxelas estima que, depois de um crescimento de 1,9% em 2016 (no outono calculava que a UE terminaria o ano com 1,8%), a economia cresça 1,8% em 2017 (contra 1,6% das anteriores projecções) e mantenha o mesmo ritmo em 2018 (neste caso, uma ligeira revisão em baixa, pois em Novembro previa 1,9% para o próximo ano).

Mas este crescimento pode ser abalado pelos movimentos nacionalistas que crescem na Europa. Moscovici lembra que “é um perígo primeiro para os países em causa e depois para toda a zona euro. Estamos envolvidos na luta contra o populismo, contra o absurdo das políticas anti-europa e anti-euro”.

Apesar das previsões ligeiramente mais optimistas, já identificou então as potenciais fontes de instabilidade: o
aperto mais forte da política monetária nos Estados Unidos, que poderá, por exemplo, ter consequências negativas nas economias emergentes”.