EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Resultados das eleições francesas mostram vencedores e vencidos em Paris

Os líderes da extrema-direita Marine Le Pen e Jordan Bardella em junho de 2024
Os líderes da extrema-direita Marine Le Pen e Jordan Bardella em junho de 2024 Direitos de autor Ludovic Marin/AP
Direitos de autor Ludovic Marin/AP
De  Jack Schickler
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O apoio ao presidente francês Emmanuel Macron caiu, com o Rassemblement National (RN) de extrema-direita a liderar as sondagens, na primeira volta de um sufrágio que vai eleger os 577 membros da Assembleia Nacional.

PUBLICIDADE

O Rassemblement National (RN), o partido de extrema-direita liderado por Marine Le Pen e Jordan Bardella, ganhou a primeira volta das eleições legislativas em França, de acordo com uma projeção da Ipsos Talan após o encerramento das urnas.

O Rassemblement National obteve 33,2% dos votos, de acordo com as estimativas, um ligeiro decréscimo em relação às sondagens da semana passada, que colocavam o partido e os seus aliados em 36%.

A confirmar-se, este resultado representaria um êxito significativo para o partido de Le Pen, anteriormente designado Frente Nacional.

Pela primeira vez, o partido ficou em primeiro lugar numa eleição legislativa à primeira volta, com o apoio a duplicar desde 2022.

A Ipsos prevê que Le Pen e os seus aliados do Partido Republicano consigam entre 230 e 280 lugares, o que não chega a uma maioria absoluta de 289.

A votação antecipada, convocada pelo Presidente Emmanuel Macron após um desempenho desastroso nas eleições europeias, não conseguiu inverter a maré e a coligação centrista Ensemble parece destinada a perder um número significativo de lugares.

A coligação Ensemble de Macron alcançou 21% dos votos, de acordo com a sondagem, o que representa uma descida em relação à situação em que se encontrava na fase equivalente das eleições legislativas de 2022, mas uma melhoria em relação às recentes eleições europeias, em que obteve apenas 14,6%.

Entretanto, os partidos de esquerda tiveram um desempenho relativamente forte.

A Nova Frente Popular, uma aliança formada após a convocação de eleições entre o Partido Socialista, os Verdes e França Insubmissa de Jean-Luc Mélenchon, alcançou 28,1% dos votos, segundo a projeção, uma ligeira melhoria em relação aos 25,7% que a NUPES, a coligação equivalente, alcançou em 2022.

De acordo com esses resultados, Macron poderia acabar com apenas 70-100 assentos, enquanto a Nova Frente Popular teria 125-165, num bloco de esquerda dominado pelo partido de Mélenchon, disse Ipsos.

Esta parece ser uma má noite para Eric Zemmour, cujo partido Reconquista caiu para menos de 1% - votos que provavelmente foram para o seu rival Le Pen, à medida que o voto de extrema-direita se consolida.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor - DeepL.com

O partido de centro-direita Republicanos - que tem estado dividido num debate interno sobre se deve ou não estar ao lado de Le Pen - manteve-se praticamente constante, com pouco mais de 10%, segundo a Ipsos.

Qual a importância das eleições legislativas em França?

Um partido com maioria absoluta terá o direito de nomear um primeiro-ministro e um governo - embora o próprio Macron tenha dito que não se demitirá do cargo de presidente.

Nas eleições de 2022, Le Pen ficou em terceiro lugar, com 18,7% dos votos, e espera conseguir os mágicos 289 lugares que lhe permitirão estabelecer o primeiro governo de extrema-direita em França desde a ocupação nazi.

PUBLICIDADE

Se assim for, poderá haver um período de coabitação entre líderes de partidos diferentes - o que aconteceu pela última vez entre 1997 e 2002, quando o presidente conservador Jacques Chirac fez par com o primeiro-ministro socialista Lionel Jospin.

A contagem de hoje não dará o resultado final - uma vez que os candidatos mais bem-sucedidos em cada círculo eleitoral passarão a uma segunda volta a 7 de julho, e a afluência às urnas relativamente elevada registada hoje sugere que muitos deles o farão.

O que acontece agora, após a primeira volta das eleições?

A próxima semana será marcada por muitas negociações, com os candidatos a forjar pactos eleitorais ou mesmo a renunciar, o que significa que o resultado final pode ser muito diferente.

Em 2022, Macron obteve pouco mais de 25% dos votos expressos na primeira volta, mas acabou por obter 42% dos lugares - terminando em primeiro lugar, embora perdendo a maioria.

PUBLICIDADE

Num discurso proferido logo após o fecho das urnas, Mélenchon prometeu abandonar qualquer círculo eleitoral em que ficasse em terceiro lugar, uma forma de evitar a divisão dos votos e de dar mais lugares a Le Pen.

Embora as legislaturas sejam normalmente de cinco anos, Macron convocou eleições antecipadas a 9 de junho, depois de ter sido derrotado nas eleições para o Parlamento Europeu.

O RN de Marine Le Pen obteve mais de 31% dos votos para eleger os eurodeputados, mais do dobro do que a coligação de Macron conseguiu.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Poderá a França evitar o triunfo da extrema-direita na segunda volta das eleições?

Eleições antecipadas em França: como funcionam e quais são os resultados possíveis?

Quem é Jordan Bardella, o político francês de extrema-direita de 28 anos?