This content is not available in your region

Rússia ensaia Sochi com estudantes universitários

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Rússia ensaia Sochi com estudantes universitários
Tamanho do texto Aa Aa

A magnitude do evento foi pensada à imagem das Olimpíadas que são, aliás, a inspiração original deste encontro desportivo. Quase 10 mil atletas, provenientes de cerca de 160 países, à procura de mais de 350 medalhas. São estes os números da 27ª Universíada de Verão, também conhecida como Jogos Mundiais Universitários. A cidade de Kazan, capital do Tartaristão, na Rússia, tornou claramente a cerimónia de abertura numa janela para se mostrar ao mundo.

Vladimir Leonov, diretor da organização “Kazan 2013”, aponta que “a abertura é toda uma outra questão. Há mais de dois anos que a estamos a preparar. Representa um gigantesco esforço por parte de uma enorme quantidade de gente. A essência do que mostrámos é a essência da Rússia, do Tartaristão, de Kazan. Foi tudo pensado de raiz, desde as músicas aos vídeos. Foi a primeira vez que o mundo viu algo semelhante.”

Oficialmente, o orçamento desta universíada foi de 5 mil milhões de euros, muito longe dos impressionantes 22 mil milhões que a China gastou para organizar a edição do ano passado, em Shenzhen. As competições duram duas semanas. Mas o ministro russo do Desporto salienta que o impacto em Kazan será bem duradouro. “Onde é que o dinheiro foi gasto? Em novas infraestruturas: aeroporto, ligação ferroviária entre o aeroporto e a cidade, novas estradas e acessos, três estações de metro. São coisas palpáveis. E construímos 30 recintos desportivos”, afirma Vitaly Mutko.

Kazan tornou-se num balão de ensaio para os Jogos Olímpicos de Inverno, que vão decorrer em Sochi, no próximo mês de fevereiro. Mutko explica que “o sistema de segurança, por exemplo, é controlado a nível federal, com a cooperação do comité organizador. É o modelo que vamos reproduzir. A logística dos transportes, o sistema de acreditação, a rede de serviços para os atletas, serão replicados em Sochi.”

Segundo o vice-presidente da Federação Internacional de Desporto Universitário, Stefan Berg, Kazan tem-se mostrado mais do que à altura do evento: “Passados alguns dias, posso dizer que estamos muito satisfeitos. É um evento de alto nível, com grande empenho por parte da organização, dos voluntários. As coisas estão a correr muito bem.”

As capacidades são trabalhadas continuamente, até porque esta competição pode servir de antecâmara a uma outra. O atleta britânico Ashley Watson relembra que “qualquer ginasta quer competir nos Jogos Olímpicos, é para isso que treinamos. Quando terminar os estudos, vou dedicar-me a 100% aos treinos, para tentar ir às Olimpíadas. Primeiro os campeonatos mundiais e depois o Rio de Janeiro, em 2016.”

E são objetivos fundamentados, se olharmos para o percurso de alguns dos atletas que passaram por aqui, realça Oleg Matycin, presidente da União Desportiva dos Estudantes Russos: “Nos últimos anos, houve equipas a convidar participantes das universíadas que, mais tarde, se tornaram campeões mundiais e olímpicos.”

Na verdade, a equipa de estudantes russos conta com mais de 20 campeões olímpicos. É, por isso, a favorita na corrida às medalhas. Apesar de haver quem considere que a vitória, no final de contas, pertence a Kazan.